segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Ofensas ou dúvidas? O novo Pai Nosso

jesus


Esta oração foi alterada do seu sentido tradicional, há alguns anos pelo CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano) .... Sua Santidade João Paulo II pediu que em todas as partes se reze igual  e exortou aos bispos para alcançar um único Pai Nosso. Ordem excessivamente curiosa, pois,  a missa em latim era rezada em todas as partes igualmente e agora não. Infelizmente ninguém disse o óbvio, o sensato: Deve permanecer o Pai Nosso Tradicional, a menos que haja um erro grave na tradução.

Bispo Bernard Fellay- Autêntico Testemunho Católico.

img_0536b



Tradução: Gercione Lima


No dia 04 de novembro de 2016 - o dia da cerimônia de abertura do novo Seminário da Sociedade de São Pio X em Dillwyn, Virginia - três crianças pequenas foram abençoadas com uma cerimônia de Confirmação por Sua Excelência, o Bispo Bernard Fellay. Tudo em torno desta pequena cerimônia - com cerca de vinte sacerdotes, seminaristas e diferentes membros da família reunidos em torno – transformou o que seria, um pequeno evento em algo muito grande e santo. Cada indivíduo que estava presente, sem dúvida, vai narrá-lo como uma das grandes bênçãos de sua vida.


Tal como acontece com muitas dessas bênçãos, esta começou com uma cruz. As confirmações estavam pra começar no início da noite, às 6:30 horas, após a longa cerimônia de abertura do Seminário. O pequeno grupo de famílias, padrinhos e seminaristas estava reunido em volta da pequena capela provisória do Seminário (que será um dia será substituída por uma igreja maior, ao lado do Seminário) quando de repente um seminarista vindo do corredor, pôs-se de pé diante dos fiéis e nos disse que Dom Fellay tinha acabado de sofrer um acidente, e que ele tinha machucado o pé. Alguns médicos especialistas estavam examinando-o naquele momento, assim disse-nos o seminarista. Tivemos que esperar mais trinta minutos a fim de termos mais notícias. E não deu outra, acabamos tendo que esperar uma hora mais ou menos, sem saber se a cerimônia iria acontecer ou não. 

Foi por volta das oito horas da noite que o seminarista veio pela última vez (após várias atualizações) até a capela. Uma vez que o bispo não podia andar, fomos convidados a nos dirigir aos aposentos privados de Sua Excelência no andar superior, para que ele pudesse ajudar os pequeninos a se tornarem soldados de Cristo. Quando estávamos todos reunidos na modesta salinha, Dom Fellay veio nos cumprimentar. Entre todos nós que estávamos na sala é provável que ninguém jamais se esqueça do que aconteceu depois: Dom Fellay entrou, com o pé ainda sem ser tratado - que por fim revelou-se seriamente fraturado - andando de muletas e com um grande sorriso no rosto! (!)
Depois de ter primeiramente pedido desculpas pela "inconveniência"  que seu acidente havia causado, Dom Fellay, de repente, disse, com um sorriso ainda maior: 
_ "Este é um sinal muito bom! É um sinal muito bom, porque mostra que o demônio está muito furioso com o fato destas crianças receberem o Sacramento da Confirmação."

Os fiéis presentes ficaram admirados. Como era possível que este santo homem conseguia sorrir com a dor de um pé quebrado e ainda se alegrar pelos obstáculos colocados em seu caminho? (Uma senhora presente, disse mais tarde que ela tinha tido um pé quebrado e confessou que ela não era capaz de dormir durante toda a noite devido à forte dor.) E como era possível que ele ignorasse seu sofrimento e não permitisse que tais obstáculos o impedissem de realizar o que poderia, de outra forma, ser visto apenas como uma pequena cerimônia para três crianças?

Polônia reconhece Jesus Cristo como “Rei” do país

MADRI, 23 Nov. 16 / 03:30 pm (ACI/Actuall).- Os Bispos da Polônia declararam Jesus Cristo como Rei do país, um título retumbante que não é outra coisa a não ser o reconhecimento honorífico do seu reinado em todo o mundo, embora na documentação eclesiástica se descreve a cerimônia como “um ato de aceitação nacional do reino de Cristo e de submissão ao seu poder divino”.


Para isso, foi celebrada uma missa de entronização no santuário de Lagiewniki, próximo a Cracóvia, na qual estiveram presentes 6.000 fiéis para ser testemunhas de Jesus Cristo no trono sete meses depois que a hierarquia católica aprovou a entronização.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

A maldade conjunta de Malthus e Darwin

Resultado de imagem para darwin
Charles Darwin
Resultado de imagem para malthus fotos
Thomas Malthus




Malthus forneceu a ideologia econômica a Darwin; Darwin inventou a “ciência” para justificá-la e, eventualmente, foi posta em prática, isto é, aplicou o darwinismo, que significa eugenia aplicada e genocídio de “inferiores” que são referidos como “comedores inúteis”. 

Ao contrário das noções convencionais, o darwinismo social - a ciência secularizada da evolução  - é uma ideologia econômica mascarada como uma ciência natural.

Grande parte do pensamento de Darwin foi derivado das teorias econômicas do britânico Thomas Malthus & seu Ensaio sobre a População, isto é, que a população tende a ultrapassar a subsistência.
É claro que esta é uma visão reducionista do Velho Mundo amplamente baseada em noções feudais propagadas pelo “Senhor” ou classe privilegiada da Terra. A teoria malthusiana de uma população crescente justaposta à escassez de recursos, serve de pretexto para o controle, a ganância e o genocídio - que se trata da sobrevivência do “mais apto” e da privação de direitos e do abate de pessoas menos “aptas” e “menos merecedor”.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Absolvição do aborto, eis porque muda.

Papa Francesco

Claudio Crescimanno - Tradução: Gercione Lima


Entre as disposições contidas na Carta Apostólica Misericordia et Misera, publicada no dia 21 de novembro, a que terá efeito mais ressonante é, certamente, a extensão de uma forma estável a todos os confessores da habilidade de absolver o pecado de aborto provocado, e ao mesmo tempo suprimir a excomunhão latae sententiae ligada a tal delito.


A medida, na verdade, já havia sido tomada no início do Jubileu extraordinário há um ano atrás, como medida igualmente extraordinária, para favorecer o acesso mais amplo possível de todos os fiéis ao sacramento da confissão, aumentando assim a purificação geral dos pecados do povo cristão, que é o sentido último de cada ano santo. Agora, esta concessão foi estendida a todo sacerdote que confessa. A mudança é muito importante. Portanto, vamos tentar compreender melhor a dimensão dessa mudança com a ajuda de algumas perguntas e respostas, que esperamos que possam esclarecer melhor.

1) Até há um ano atrás, o pecado do aborto não era absolvido?

Obviamente sim, era absolvido, é lógico. Não há culpa por mais grave que seja, que não possa ser perdoada quando aquele que a confessa é genuinamente arrependido, pronto para se corrigir e disposto a fazer uma penitência proporcional.

Todavia, comportava restrições. Para simplificar, vamos citar o exemplo do homem ou da mulher que (até um ano atrás) se apresentavam no confessionário e se reconheciam culpados de terem feito um aborto. Notem bem que o pecado envolve tanto a mulher que o fez, como a família que a incitou, o pessoal médico que colaborou diretamente na sua realização e os políticos que o promovem.

Neste ponto, o confessor não podia deixar de lembrar a essa pessoa da gravidade do pecado cometido (ou favorecido) e suas consequências, inclusive o fato de ter incorrido em uma excomunhão lateae sentenciae.  Deveria também explicar-lhe - este é o ponto – que para ser absolvido desse pecado, e ao mesmo tempo ter anulada a excomunhão anexa, deveria se dirigir a alguns padres autorizados, o bispo diocesano, seu vigário geral, o cônego penitenciário da catedral, ou outros delegados para essa função. O recurso a um desses padres autorizados poderia ser feito de duas maneiras: ou o penitente se dirigia pessoalmente a um desses padres e repetia a confissão; ou o confessor deixava em suspenso a confissão em curso, e recorria ele mesmo a uma das figuras listadas acima (naturalmente, sem prejuízo da confidencialidade da identidade do penitente em questão), e, depois de ter recebido a autorização, convidava o penitente a voltar e aí dava-lhe a absolvição com a relativa remissão da excomunhão.

É evidente que este processo tornava mais trabalhoso receber a absolvição por este pecado. Mas isso não significa de forma alguma que o objetivo era colocar obstáculos ao perdão: muitos anos antes que houvesse um jubileu intitulado “A misericórdia de Deus”, o Catecismo da Igreja Católica já assegurava que, ao estabelecer as regras para a absolvição desta ofensa, " a Igreja não tem a intenção de restringir o campo da misericórdia. (Mas, ao invés) realça bem a gravidade do crime cometido "(n. 2272)

Misericordia et Misera: nova Carta Apostólica de Francisco.

Íntegra no site do Vaticano da Carta Apostólica para o encerramento do Ano da Misericórdia.
Sobre a FSSPX, dispõe o Papa Francisco:
No Ano do Jubileu, aos fiéis que por variados motivos frequentam as igrejas oficiadas pelos sacerdotes da Fraternidade de São Pio X, tinha-lhes concedido receber válida e licitamente a absolvição sacramental dos seus pecados.[16] Para o bem pastoral destes fiéis e confiando na boa vontade dos seus sacerdotes para que se possa recuperar, com a ajuda de Deus, a plena comunhão na Igreja Católica, estabeleço por minha própria decisão de estender esta faculdade para além do período jubilar, até novas disposições sobre o assunto, a fim de que a ninguém falte jamais o sinal sacramental da reconciliação através do perdão da Igreja.

sábado, 19 de novembro de 2016

Entrevista exclusiva: Cardeal Burke pede claridade ao Papa

CBurke.png




Em 14/11/2016

O Presidente da Catholic Action (Ação Católica), Thomas McKenna, obteve a seguinte entrevista com o cardeal Raymond Burke para explicar as intenções dos quatro cardeais e os documentos publicados titulados “A Busca da claridade: uma súplica para desatar os nós em Amoris Laetitia”.


Catholic Action: Sua Eminência, obrigado por ceder seu tempo com esta entrevista. A substância dos documentos que o senhor e os outros cardeais chama publicamente de “Dubia”. Pode me explicar o que significa dúbia e o que ela implica essa apresentação  “Dubia”?

Cardeal Burke: É um prazer falar com vocês sobre estes assuntos importantes. O título do documento é: "A busca da claridade: uma súplica para desatar os nós em Amoris Laetitia". Tem como co-autores a quatro cardenales: cardenal Walter Brandmüller, cardenal Carlo Caffarra, cardenal Joachim Meisner e eu. Os companheiros cardeais e eu estamos dando a conhecer uma súplica que foi feita para o Santo Padre, o papa Francisco, em relação com a sua recente Exortação Apostólica, Amoris Laetitia. Parte do documento contém ambigüidades e declarações que são como nós que não podem ser facilmente desatados e estão causando grande confusão. Compartilhando a devoção do Papa a Nossa Senhora, Desatadora de Nós, estamos pedindo que esclareça estas declarações ambíguas e, com a ajuda de Deus, desatar algumas das declarações embaraçosas do documento para o bem das almas.

Dúbia é a forma plural da palavra latina, dubium, que significa uma pergunta ou uma dúvida. Quando na Igreja surge  uma questão ou dúvida importante sobre a fé ou sua prática, é costume que os bispos, sacerdotes ou os fiéis, expressem formalmente a pergunta ou a dúvida e a apresente ao Romano Pontífice e ao órgão que tem a competência de tratar dela. A formulação de uma pergunta ou dúvida individual se chama simplesmente dubium. Se se articuula mais de uma pergunta ou dúvida, se chama dubia. A exortação apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia vem causando uma série de perguntas e dúvidas sobre na mente dos bispos, sacerdotes e fiéis, muitas das quais já foram apresentadas ao Santo Padre e discutidas publicamente. No presente caso, quatro cardeais apresentaram formalmente ao Santo Padre cinco perguntas fundamentais ou dúvidas sobre a fé e as bases morais na leitura de Amoris Laetitia.

20 de Novembro: Dia da consciência negra ou do escravocrata Zumbi ?




Desmascarando mais uma lenda inventada por marxistas e que, desgraçadamente se solidifica na cabeça da população. Como sempre conta com a difusão por ideólogos no ambiente universitário,nas escolas e pela grande mídia "idiotizante" das massas, corrompendo a compreensão da história e assim, promovendo o ressentimento e baixa auto-estima da parte da população, sentimentos explorados por partidos marxistas para fomentar políticas de desagregação social.






Zumbi, o maior herói negro do Brasil, o homem em cuja data de morte se comemora em muitas cidades do país o Dia da Consciência Negra, mandava capturar escravos de fazendas vizinhas para que eles trabalhassem forçados no Quilombo dos Palmares. Também sequestrava mulheres, rara nas primeiras décadas do Brasil, e executava aqueles que quisessem fugir do quilombo.

Essa informação parece ofender algumas pessoas nos dias de hoje, a ponto de preferirem omiti-las ou até censurá-la, mas na verdade trata-se do óbvio. É claro que Zumbi tinha escravos. Na sua época não havia nada de errado nisso. Sabe-se muito pouco sobre ele, mas é certo que viveu no século XVII. E quem viveu próximo do poder no século XVII tinha escravos, sobretudo quem liderava algum povo de influência africana.

Desde a Antiguidade, os humanos guerrearam, conquistaram escravos e muitas vezes venderam os que sobravam. Até o século XIX, em Angola e no Congo, donde veio a maior parte dos africanos que povoaram Palmares, os sobás se valiam de escravos na corte e invadiam povoados vizinhos para capturar gente.

terça-feira, 15 de novembro de 2016

Os erros da Rússia se espalharam na Igreja

Resultado de imagem para comunismo fotos


Pela primeira vez na história, estamos testemunhando uma luta friamente calculada e artisticamente preparado pelo homem “contra tudo o que é divino” (2 Tessalonicenses 2: 4).



O estado atual do mundo, como afirmado por Pio XII, pode ser definido da seguinte forma: “Na realidade, o problema radical do universo já está totalmente resolvido e é apoiado pelo grande dilema que nunca tinha colocado a liberdade humana: com Deus ou contra Deus . Esta é a escolha que hoje paira sobre o destino da humanidade”. 

O cardeal Jozsef Mindszenty, símbolo da liberdade da Hungria, é certamente um ícone irrefutável ​​de muitos pastores ilustres que escreveram o testemunho de suas vidas, páginas eloquentes do mandato evangélico do Bom Pastor de dar a vida por suas ovelhas (Jo 10: 11-18).

O então arcebispo de Esztergom em suas “Memórias”, escreveu em detalhes como o comunismo veio para tomar o poder na Hungria.

Após a Segunda Guerra Mundial, em 1945: “O Partido dos Pequenos Proprietários foi o vencedor da eleição com 57,7 por cento dos votos. Em seu programa tinha feito uma promessa solene de defender e concretizar os princípios cristãos. O resultado da eleição significava um protesto feito com grande força contra as exigências de poder do comunismo. O Partido Comunista havia conseguido apenas dezessete por cento dos votos expressos, mas destes, pela corrupção, enganos e terror.”

quarta-feira, 9 de novembro de 2016

Os partidos que estão por trás da ocupação das escolas.

Resultado de imagem para fotos escolas ocupadas


Embora não seja novidade para alguns poucos conhecedores, a notícia no jornal eletrônico Folha Política  mostra a ação de partidos (PT, Psol, Pcdo B, PSTU)e grupos comunistas na ação revolucionária que promove a baderna que está prejudicando a vida acadêmica da maioria ordeira de alunos que querem estudar. Até agora reina o silêncio e omissão proposital desses detalhes desta ocupação por parte de jornalistas, da mídia imbecilizante de massa e demais "especialistas" etc (geralmente marxistas).

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Terremotos e castigos de Deus

sao-bento



Por Roberto de Mattei

Desde 24 de agosto deste ano, a Itália tem sido abalada por uma série de terremotos violentos. Já se passaram dois meses e não mostram sinais de diminuição. De acordo com sismólogos, tem havido milhares de terremotos devariáveis  intensidade e magnitude. Até agora, eles causaram poucas baixas, mas têm causado sérios danos às igrejas e edifícios públicos e privados, e causou a perda de propriedade e habitação de dezenas de milhares de italianos.

O tremor do último 30 de outubro, foi o mais grave depois do de 24 de agosto e foi sentido em toda a península, de Bari até Bolzano, e foi expresso simbolicamente com a queda da catedral de Núrsia. A notícia da destruição da basílica foi noticiada pelo mundo. Permaneceu firme apenas uma fachada frágil da igreja que estava sobre o lugar onde foi o berço de São Bento. O resto desapareceu em uma nuvem de poeira. Numerosos meios de comunicação como CNN puseram em evidência a natureza simbólica do evento, escolhendo para a pagima de acesso do seu site a imagem da catedral em ruínas.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Francisco e "São" Martinho Lutero perfeitamente juntos

pope and luther


Texto referente à entronização de Lutero no Vaticano, no dia 13 de outubro.

Nossa série sobre a origem dos erros do Papa Francisco continua com sua atuação frente a audiência  de “peregrinos” luteranos na Alemanha, no Vaticano em 13 de outubro. Nessa data, se comemorava o 99º aniversário do Milagre do Sol em Fátima; mas Francisco, supostamente devoto da Virgem e cujo pontificado dedicou a Nossa Senhora de Fátima (o que justifica meu otimismo inicial em respeito ao seu pontificado desastroso) completamente ignorou completamente a ocasião. Em vez disso, ele passou o dia celebrando a memória de Martinho Lutero na sala de audiência Paulo VI.

Uma estátua do arqui-herege dividiu o palco com Francisco durante o evento, em que dois ministros luteranos, um deles usando um anel de orelha, colocou em suas mãos uma cópia cerimonial enorme das 95 teses, considerada comumente como ponto de referência do início da Reforma. Um dos ministros citou Lutero com o desejo de que sua obra fosse entregue a quem nunca tinha lido. Nunca em seus sonhos mais estranhos Lutero imaginou que um dos receptores seria um Papa, aceitando-a.


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

Comemoração dos Fiéis Defuntos





2 DE NOVEMBRO


Depois de se ter ontem alegrado por causa dos seus filhos que entraram na glória do Céu, a Igreja pede hoje por todos aqueles que, nos sofrimentos purificadores do Purgatório, esperam o dia em que poderão associar-se à assembleia dos santos. Nunca, em toda a sua liturgia, se afirma de modo mais vivo a misteriosa unidade que existe entre a Igreja triunfante, a Igreja militante, e a Igreja padecente. Jamais se cumpre de modo mais palpável o duplo dever de caridade e de justiça que é, para os cristãos, consequência de sua incorporação no Corpo Místico de Cristo. Em virtude do dogma tão consolador da comunhão dos santos os méritos e sufrágios de uns são aplicados a outros, a pedido da Igreja que, pela Santa Missa, indulgências, esmolas e sacrifícios de seus filhos, oferece a Deus os méritos superabundantes de Cristo e dos seus membros.

terça-feira, 1 de novembro de 2016

Festa de Todos os Santos


all_saints





I de Novembro



FESTA DE TODOS OS SANTOS


 A Igreja, qie, no decurso do ano, celebra incessantemente as festas de todos os santos, reúne-os todos hoje, numa festa comum. Além dos que pode chamar pelo seu nome, ela evoca, numa visão grandiosa, a multidão inumerável dos outros << de todas as nações, tribos, povos e línguas, de pé diante do trono e diante do Cordeiro, vestidos com túnicas brancas e de palmas na mão>>, aclamando Aquele que os resgatou com o seu sangue.



A festa de Todos os Santos deve suscitar em nós uma imensa esperança. Dentre os santos do Céu há-os que nós conhecemos. Todos viveram na terra uma vida semelhante à nossa. Batizados, marcados com o sinal da fé, fiéis aos ensinamentos de Cristo, eles precederam-nos na pátria celeste e convidam-nos a ir ter consigo. Ao proclamar a sua felicidade, o evangelho das bem-aventuranças indica-nos a rota a seguir: só ela nos pode conduzir até lá.



Foi no oriente que se começou a celebrar a << memória de Todos os Santos>>, festa que se encontra no Ocidente no século VIII, em diversas épocas do ano. Segundo o Martiriológio Romano foi o Papa Gregório IV (827-844) que teve a honra de a estender a toda Cristandade; mas parece que já Gregório III (731-741) tinha tomado alguma decisão neste sentido. Por outro lado, comemorava-se em Roma no dia 13 de Maio a dedicação da basílica de S. Maria e de todos os mártires, o Panteão, templo de Ágripa dedicado a todos os deuses pagãos, para onde o papa Bonifácio IV tinha transladado muitas ossadas das catacumbas. Estes fato explica porque tantos textos da missa de hoje são tirados da liturgia dos mártires. O papa Gregório VII mudou-se para I de Novembro o aniversário desta dedicação.