segunda-feira, 28 de março de 2016

Entrevista com Mons. Bernard Fellay, 4 de março de 2016 em Menzingen (Suíça)

Mgr Bernard Fellay.



Desde há várias semanas numerosos rumores têm circulado na imprensa  sobre um possível reconhecimento canônico da FSSPX por Roma. Em vez de aumentar esses rumores com comentários, DICI escolheu entrevistar o Superior Geral da Fraternidade, Dom Bernard Fellay, a fim de solicitar uma avaliação dos pontos seguinte:

As relações da Fraternidade São Pio X com Roma
As novas propostas Roma
“Ser aceito como nós somos”
O Papa e a FSSPX
A jurisdição concedida aos padres da FSSPX
As visitas dos bispos enviados por Roma
O estado atual da Igreja
O que devemos pedir à Santíssima Virgem?


1. As relações da Fraternidade São Pio X com Roma desde 2000


As relações com Roma, de fato, continuam, embora essa palavra não é inteiramente correta ... porque eles nunca interromperam certamente nunca se quebraram, embora a sua frequência tem variado, e sua intensidade também ... Podemos dizer que desde 2000, tem ocorrido contatos com Roma. As autoridades romanas foram  quem solicitaram esses contatos, a fim de regularizar a situação da Fraternidade. Houve altos e baixos, como eu disse, mas a partir do Cardeal Castrillon Hoyos, em 2000, os contatos têm sido, por algum tempo, bastante frequente. Depois de nossas condições terem sido bem estabelecidas, houve um momento em que as relações foram ... não quero usar a palavra suspensa, mas quase. Em 2005, houve um único contato. E depois de 2009, ou seja, no momento do levantamento - o que chamamos de levantamento das excomunhões; dizemos: a retificação do decreto de excomunhão - tem sido um contato mais regular, especialmente com discussões doutrinárias, que foram solicitadas por ambos os lados e duraram cerca de dois anos . Em seguida, surge novamente o que poderíamos chamar de uma nova etapa, desta vez envolveu uma proposta de solução, a qual era dupla: havia uma declaração doutrinária e uma solução canônica. Isso durou quase um ano, mas fracassaram.

Então, por dois anos  as relações ficaram escassas, para retomar, acho que podemos dizer, com o regresso de Monsenhor Pozzo à Pontifícia Comissão Ecclesia Dei. Durante o tempo do arcebispo Di Noia houve alguns contatos, é verdade, mas com Monsenhor Pozzo uma nova etapa, que foi novamente dupla. Por um lado, debates, ou seja, discussões doutrinárias de uma forma mais flexível, portanto, não totalmente oficial, mas mais do que apenas extra-oficialmente, uma vez que estes bispos foram enviados por Roma. Essas discussões ainda estão em andamento. Eu acho que vale a pena o esforço. Ao mesmo tempo, em outro plano, e em certo sentido, paralelamente, houve uma nova proposta em julho passado: um convite à reflexão para encontrar maneiras de conseguir a regularização canônica. E também aqui, essas discussões, essas reflexões estão avançando. Não há pressa, isso é claro. Será que estamos realmente progredindo? Penso que sim. Eu acho que sim, mas é certamente um processo lento.

 2. As propostas de Roma estudadas pelos superiores maiores da Fraternidade São Pio X.

Queremos envolver um grande número de confrades, a partir do topo, em nossa reflexão sobre as novas propostas de Roma. Eu acho que é importante. Nós aprendemos algumas lições do que aconteceu em 2012, o que causou atrito dentro da fraternidade. Eu acho que uma das razões foi a falta de comunicação. Foi um período um pouco difícil. Da mesma forma, desta vez nós escolhemos uma maneira diferente de abordar estas questões, que exigem muita reflexão.

Quando vemos a situação de Roma, a Igreja, obviamente, não nos sentimos encorajados a agir. É compreensível que Roma quer fazer um convite, e representam um problema para a Igreja. Quando vemos todos os esforços feitos em prol do ecumenismo - para alcançar Deus com sabe que tipo de união! - E quando vemos como somos tratados na Igreja, isso significa, é claro, que representam um problema. Nós somos um grande espinho para todo o sistema ecumênico atual. Isso por si só seria suficiente para explicar (o comportamento adotado por Roma). Acho que não apenas isso, mas em qualquer caso - independentemente de seus motivos diretamente - há um movimento de Roma para tentar resolver o problema.

Por outro lado, vemos a situação dramática da Igreja, onde realmente não há muitos estímulos que nos convidam a ir em frente. Por isso, a reflexão profunda é necessária, mas não será realizada isoladamente. Precisamos de vários pares de olhos para observar corretamente, para refletir sobre as implicações dessas questões. Por isso que queria pedir a todos os superiores suas reflexões sobre este assunto.

 

quinta-feira, 24 de março de 2016

O vil se serve dos monstros que eles próprios ajudam a criar

 .
Enquanto eu a via as imagens dos ataques pela manhã em Bruxelas, a TV mostrava declarações dos políticos e clérigos.

Eu profundamente indignado, principalmente com aqueles que invocam  “mais Europa”, como se o problema não fosse também a Europa covarde, que está negando sua identidade. Um problema agravado por uma Igreja Reformada amoldada ao mundo que, nas palavras de Mons. Galantino, persiste em repetir como solução  única o mantra irresponsável do acolhimento e integração, como se fosse normal a inércia  e a aceitação indiscriminada da real invasão que estão sofrendo há muito tempo e não mostra sinais de acabar. Nós já falamos longamente reafirmando a falta de realismo e a impossibilidade de uma convivência civil de culturas inconciliáveis ​​em uma situação de cumplicidade total por parte dos governantes dos nossos países e de quase todos os nossos pastores, a partir do topo, diante de uma invasão em níveis absolutamente intoleráveis. Enquanto se continua a dar voz aos improváveis muçulmanos moderados ​​que pode nos matar tranquilamente pelas costas. Mais do que é dado (absolutamente zero) para aqueles que têm algo significativo a dizer e oferecer. Esta é a dura realidade. Eu acho que não há necessidade de dizer mais.

quarta-feira, 23 de março de 2016

Jesus quis padecer tanto por nós, para nos fazer compreender o grande amor que nos consagra





Meditações para Semana Santa
 
Resultado de imagem para paixão de cristo 


Duas coisas fazem conhecer um amigo, escreve Cícero: fazer-lhe bem e padecer por ele, e esta é a maior prova de um verdadeiro amor. Deus já tinha demonstrado seu amor ao homem, dispensando-lhe inúmeros benefícios, mas, segundo S. Pedro Crisólogo, beneficiar unicamente ao homem parecer-lhe-ia muito pouco a seu amor, se não tivesse encontrado o modo de demonstrar-lhe quanto o amava, padecendo e morrendo por ele, como o fez de fato, tomando a natureza humana (Serm. 69). E que maneira mais apta poderia Deus encontrar para manifestar-nos o amor imenso que nos consagra, do que fazer-se homem e padecer por nós? Não poderia se manifestar de outra maneira o amor de Deus para conosco, escreve a esse respeito S. Gregório Nazianzeno. Meu amado Jesus, muito vos tendes esforçado por demonstrar-me vosso afeto e patentear-me vossa bondade. Grande, pois, seria a ofensa a vós feita, se vos amasse pouco ou amasse outra coisa além de vós.

Cornélio a Lápide diz que Deus nos deu o maior sinal de amor, deixando-se ver coberto de chagas, pregado à cruz e morto por nós. E antes dele, disse S. Bernardo que Jesus em sua Paixão nos fez conhecer que seu amor para conosco não podia ser maior do que foi (De pass. c. 14). Escreve o Apóstolo que, quando Jesus Cristo quis morrer por nossa salvação, demonstrou até onde chegava o amor de um Deus para conosco, miseráveis pecadores (Tito 3,4). Ah! Meu amante Salvador, compreendo: todas as vossas chagas me falam do amor que me tendes. E quem poderá deixar de vos amar, depois de tantos sinais de vossa caridade? S. Teresa tinha razão de dizer, ó amabilíssimo Jesus, que quem não vos ama demonstra que vos desconhece.

Ele se fez na cruz maldito para que tu fosses bem-aventurado no reino de Deus





Meditações para Semana Santa







Havia um rei, senhor de muitos reinos, que tinha um único filho, tão belo, tão santo, tão amável, que, sendo o encanto do seu pai, este o amava como a si mesmo.

Ora, este príncipe se afeiçoou grandemente a um escravo e tendo este cometido um delito, pelo qual fora condenado à morte, o príncipe se ofereceu a morrer por ele. O pai, amante apaixonado da justiça, resolveu condenar seu amado filho à morte, para livrar o escravo do castigo merecido. E assim aconteceu: o filho morreu justiçado e o
escravo ficou livre.

Este caso, que uma só vez se deu e nunca mais se repetirá no mundo, está consignado nos santos evangelhos, onde se lê que o Filho de Deus, o Senhor do universo, vendo o homem condenado à morte eterna por causa do pecado, quis tomar a natureza humana e pagar com sua morte a pena devida pelo homem. “Foi oferecido porque ele mesmo o quis” (Is 53,7). E o Eterno Pai o fez morrer na cruz para nos salvar a nós, míseros pecadores. “Não poupou a seu próprio Filho, mas o entregou por nós todos” (Rm 8,32). Que vos parece, alma cristã, este amor do Filho e do Pai?

terça-feira, 22 de março de 2016

Mais um atentado praticado pela "religião da paz"


A violência voltou a sacudir a Europa na terça-feira. Pelo menos 26 pessoas morreram e 136 ficaram feridas depois de uma série de explosões que atingiram Bruxelas no dia de hoje. O aeroporto de Zaventem, o mais importante da capital belga, foi o cenário do primeiro ataque. Pouco depois das oito horas da manhã, duas explosões tiraram a vida de 11 pessoas e deixaram 81 feridos, de acordo com os dados atualmente conhecidos. As imagens de pânico e as fotografias de viajante deixando as instalações arrastando suas bagagens reflete o medo vivido na área. Os serviços de emergência e ambulâncias não têm sido lentos a aparecer nas proximidades. As vidraças, estoouradas pelo impacto da explosão, expressam o poder de um incidente sobre o qual se assoma numerosas incertezas. Como observado pela televisão pública belga, a origem desta tragédia pode estar em um ataque de um terrorista suicida que teria se imolado. Recentemente, foi conhecido que um fuzil Kalashnikov foi encontrado lá. Suspeita de que as autoridades do país confirmaram através de um comunicado no “Le Soir”, onde admitem que seguem a pista do atentado.

O poder da explosão provocou o desabamento do teto das instalações como têm mostrado fotografias compartilhadas em redes sociais.
A mídia belga tem coletado novos detalhes para o caso, afirmando que uma série de gritos em árabe teria sido ouvido antes das duas explosões ocorreram.

Imediatamente foi lançado um protocolo de evacuação juntamente com  medidas que incluíram o corte de acesso ao aeroporto – tanto pela estrada como por trens -  ou desviar aviões com destino à capital belga. Na Espanha, a Aena informou a suspensão de todos os voos com destino a Bruxelas, um total de 67 agendado para terça-feira. Tanto Ibéria, como Vueling, Air Europa e Ryanair cessaram suas operações com a capital comunitária.
No entanto, o terror que abalou Bruxelas, já familiarizada com grandes implantações de segurança depois dos ataques de 13 de Novembro em Paris, não havia terminado.


Uma hora e meia após a tragédia no aeroporto houve outra explosão no metrô Maelbeek, o bairro onde fica a sede das principais instituições da União Europeia. Neste caso a explosão matou 15 pessoas e deixou 55 feridos, dez deles, mais grave. As medidas de segurança foram ativadas imediatamente: serviços de metrô foram cancelados em toda a capital belga, além de outros transportes públicos como trens e ônibus. As autoridades não hesitaram em pedir aos cidadãos que “fiquem onde estão”, de modo a cortar a circulação de pessoas como uma medida preventiva. O alerta de terror foi aumentado para seu nível mais alto em toda a Bélgica. A verdade é que o sentimento de insegurança tomou conta da capital. Ao meio-dia, o “Le Soir”, informou que um pacote suspeito foi encontrado perto do Palácio Real. O edifício foi evacuado. O esquadrão antibomba também detonou explosivos perto Maelbeek.

segunda-feira, 21 de março de 2016

Efésios ensina realmente a Sola Fide ?


Assim também a fé: se não tiver obras, é morta em si mesma. (São Tiago 2,17)


Um dos textos de prova que os protestantes costumam citar para defender a sua doutrina de sola fide, que somos justificados somente pela fé é Efésios 2: 8-9. Isto é como se lê nas Escrituras:

“Pois sois salvos salvos mediante a fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus; Não vem das obras, para que ninguém se glorie”.

A questão da justificação é, certamente, muito extensa e complexa, tem um monte de nuances, e envolve um grande número de textos da Escritura; portanto, para esta publicação, vou limitar-me a este texto em Efésios e mostrar: (1) que não é o suficiente como um texto de prova para estabelecer sola fide; (2) que é totalmente consistente com a visão católica da justificação, tal como desenvolvido no Concílio de Trento. Em outras palavras, os protestantes não devem continuar mencionando-o como se os católicos não tivesse conhecimento deste versículos e se sintam inquietos ou desmentidos por ele.

Na verdade, um grande problema com a abordagem dos textos da Bíblia, é que é fácil de encontrar versos que poderiam ser mencionados para tentar provar algo muito diferente. Por exemplo, 1 Pedro 3, 21 diz: “ o batismo nos salva”. São Tiago 2, 24 notas: “Com as obras  o homem  é justificado e não somente com a fé”. Ninguém lê esses textos e tenta estabelecer uma doutrina da justificação somente pela batismo, ou por obras. Da mesma forma, também é falsa a leitura de Efésios 2: 8-9 como se estivesse ensinando só a fé. Se você testar um texto desta forma - de passagens isoladas de todo o testemunho das Escrituras sem mencionar que são isolados até mesmo de seu próprio contexto – isso causará grande equívocos.

Os católicos são frequentemente acusados ​​de crer na obra de salvação - que pode ajudar no seu caminho para o céu, que seus trabalhos pode ganhar-te a salvação. Mas, na verdade, essas ideias foram condenadas como heresia no Concílio de Trento. (Elas foram condenados muito antes na história da Igreja também, no Concílio de Cartago e no Concílio de Éfeso. O decreto de Trento sobre a justificação pode ser encontrada aqui).

sábado, 19 de março de 2016

São José


Confiante docilidade, no meio

da prova e das travas, com

que José obedece à voz do

anjo, que em sonhos lhe dita

as ordens de Deus!



19 de Março

Esposo de Nossa Senhora-Padroeiro da Igreja Universal




As principais fontes de informação sobre a vida de São José são os primeiros capítulos do nosso primeiro e terceiro Evangelhos; eles são, praticamente também, as únicas fontes confiáveis, pois liga a vida do santo patriarca, como em muitos outros pontos relacionados com a história do Salvador que foram deixados intocados pelos escritos canônicos. A literatura apócrifa é cheia de detalhes, mas a não admissão dessas obras no Canon dos livros sagrados lança uma forte suspeita sobre seu conteúdo; e, mesmo que  alguns dos fatos registrados por eles possam ser fundados em tradições de confiança, é na maioria dos casos quase impossível discernir e peneirar estas partículas de verdadeira história, das fantasias com as quais estão associados.

De qualquer forma, Belém, a cidade de Davi e seus descendentes, parece ter sido o local de nascimento de José. Quando, porém, a história do Evangelho começa, ou seja, alguns meses antes da Anunciação, José se estabeleceu em Nazaré. Por que e quando ele deixou sua terra natal para remeter-se para a Galileia não é determinado; alguns supõem – e a suposição não é de forma improvável - que as circunstâncias  então moderada da família e a necessidade de ganhar a vida pode ter influenciado a mudança de São José, na verdade era um tekton, como aprendemos de Mateus 13:55 e Marcos 6: 3. A palavra significa tanto mecânico em geral como carpinteiro em particular; São Justino confirma para o último significado (Diálogo com Trifão 88), e a tradição aceitou esta interpretação.


sexta-feira, 18 de março de 2016

Estados Unidos, Kalergi e a União Europeia





Em um artigo anterior (cf. Sí Si no no, 15 de outubro de 2015, p. 1 e segs.), observou como Richard Nikolaus Coudennove-Kalergi (1894-1972), fundou em Viena o Movimento Pan-Europeu (1922). Ele havia se interessado pelo projeto de Globalismo e Globalização, liderada pelos Estados Unidos desde 1919.
Hoje, graças a um pesquisador da Universidade de Georgetown, os arquivos da Universidade trouxeram à tona mais informações.

Nascimento da União Europeia

James Hansen, no Italia Oggi (23 de janeiro, 2016, p. 13) escreve que, em 2000, o Professor Joshua Paul, da Universidade de Georgetown, descobriu nos Arquivos Nacionais dos EUA (US National Archives) “provas documentais muito claras que o projeto para a União Europeia, nasce em grande medida, como parte de uma iniciativa sofisticada de inteligência norte-americana.”


“Entre outros documentos – escreve Hansen -  um memorando datado em 1950, dá instruções detalhadas sobre como organizar uma campanha para promover a criação de um Parlamento Europeu. E assinado pelo general William Donovan, que, durante a Primeira Guerra Mundial foi o diretor do Escritório de Serviços Estratégicos (a CIA novamente para acabar com o conflito). O principal veículo para coordenação e financiamento foi o Comitê Americano para uma Europa Unida (ACUE, sua sigla em Inglês), fundada em 1948. (...) Os documentos recuperados indicam que o ACUE foi, por um longo período de tempo, o principal financiador do “Movimento Europeu”, a mais importante organização federalista europeu do pós-guerra. Os documentos acima mostram, por exemplo, que em 1958 os norte-americanos tinham fornecido 53,5% dos fundos do movimento que teve, entre seus presidentes honoríficos Winston Churchill, Konrad Adenauer, Leon Blum  e Alcide de Gasperi. (...) O arquivo descoberto por Paul contém também um memorando datado de 11 de junho de 1965 em que a parte “Assuntos Europeus”do Departamento de Estado dos EUA, aconselha ao vice-presidente da então Comunidade Econômica Europeia, Robert Marjolin, perseguir, como uma corrente subterrânea, o objetivo da unificação monetária europeia”.

quinta-feira, 17 de março de 2016

Papa Emérito Bento XVI quebra o silêncio: fala de “crise profunda” enfrentada pela Igreja pós-Vaticano II

Featured Image




16 de março de 2016 (LifeSiteNews.com) - Em 16 de março  fala publicamente em uma ocasião rara, o Papa Bento XVI deu uma entrevista ao Avvenire, o jornal da Conferência Episcopal Italiana, na qual ele falou de “crise profunda” que a Igreja está enfrentando na esteira do Concílio Vaticano II. A reportagem atingiu a Alemanha por cortesia do Vaticanista Giuseppe Nardi, do site de notícias católico alemão Katholisches.info.

Papa Bento nos lembra da convicção católica indispensável a respeito da possibilidade da perda da salvação eterna, ou que as pessoas vão para o inferno:

Os missionários do século 16 estavam convencidos de que a pessoa não batizada seria perdida para sempre. Após o Concílio [Vaticano II], essa convicção foi definitivamente abandonada. O resultado foi um de dois lados de crise profunda. Sem esta atenção para com a salvação, a perde a seu fundamento”.

quinta-feira, 10 de março de 2016

Abutres açougueiros: comunismo e laicismo





O mundo civilizado está atravessando destas fases misteriosas, que não permitem ao historiador a análise dos fatos, nem dos princípios. É um labrinto, um abismo, uma treva geral.

Sentimos hoje um certo mal-estar, uma perturbação, uma moléstia, ao mesmo tempo endêmica e universal.; um enfraquecimento de caráter, de vontade, de dignidade, que todos lamentam, que todos acusam, que todos sofrem. È um vento epidêmico que sopra sobre a humanidade! De onde vem para onde vai?... Ninguém o sabe.


I.  Os falsos sábios


A impiedade, a corrupção e o ódio, representados pelo comunismo rubro e pela coligação negra pró-estado laico, dois abutres dos baixos fundos da podridão e da revolta, voam por cima da sociedade cristã, ameaçando-a com suas imundícies para sujar o que há de mais puro e desunir o que faz o encanto da pátria, do lar e do indivíduo.

A Igreja católica nunca receou abutres. Ela tem armas para abatê-los, como abateu aqueles em qualquer época, tiveram a ousadia de manchar sua pureza e conspurcar sua autoridade.

Não basta porém ter as promessas divinas da vitória: “As portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mat 16:18). “Estarei convosco até o fim dos séculos” (Mat 28:20).

É preciso ainda agir, lutar, defender a nossa fé, fazê-la triunfar, a exemplo de São Paulo, que pôde dizer ao fim da sua vida:Bonum certamen certavi – combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé; por isto me está reservada a coroa da justiça (2 Tm 4:7).

Nós também devemos combater este bom combate, para podermos acabar a nossa carreira e guardar a nossa fé em Jesus Cristo e na sua Igreja católica, apostólica, romana, fundada por ele sobre São Pedro, o primeiro Papa: Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja (Mt 16:18). Quem vos escuta a mim escuta; quem vos despreza, a mim despreza(Lc 10:16).

O ódio anticlerical, que parece ser moda, está na classe dos falsos sábios, que julga que toda ciência consiste em saber as operações aritméticas, uns dois dedos de história, um dedo de geografia, três dedos de literatura oca; com isto julgam ser os juízes do mundo, da religião e do próprio Deus.

Estes corifeus da impiedade nada entendem de filosofia, de teologia e nem sequer de catecismo; mas, apoiados sobre o seu orgulho e a sua ignorância do assunto, realizam ao pé da letra a palavra do Espírito Santo: Doctrina stultorum fatuitas. A doutrina dos idiotas é a presunção (Prov 16:22).

Presumir saber e não saber nada, presumir ser capaz de bancar o mestre de todos e ignorar o que o bom senso ensina, presumir ser o juiz supremo dos homens, das instituições e do próprio Deus, e esquece-se que amanhã descerá ao túmulo deixando apenas uma par de podridão e depois uma mão de pó, enquanto a alma irá perante o tribunal do Criador prestar contas   de uma vida que foi morte, e de uma morte que é vida.

Tudo isto é da presunção orgulhosa do homem insensato, sem religião e sem fé, o qual pretende na sua pequenez e, na sua miséria, derrubar o Deus eterno e as instituições por Ele firmadas. Pobres incensatos! Vana spes et mendacium viro insensato! O insensato (vive) de esperanças quiméricas; os imprudentes edificam sobre os sonhos. (Eclo 34,1).


terça-feira, 8 de março de 2016

São Tomás de Aquino


7 de Março


Filósofo, teólogo, doutor da Igreja( Angelicus Doctor), patrono das universidades , faculdades e escolas católicas . Born at Rocca Secca in the Kingdom of Naples , 1225 or 1227; Nascido em Roccasecca no Reino de Nápoles, 1225 ou 1227; died at Fossa Nuova, 7 March, 1274. morreu em  Fossa Nuova, 07 de março de 1274.

A VIDA

Os grandes contornos e todos os eventos importantes de sua vida são conhecidos, mas, biógrafos diferem quanto a alguns detalhes e datas. Death prevented Henry Denifle from executing his project of writing a critical life of the saint . Denifle's friend and pupil, Dominic Prümmer, OP, professor of theology in the University of Fribourg, Switzerland , took up the work and published the "Fontes Vitae S. Thomae Aquinatis, notis historicis et criticis illustrati"; A morte impediu Henry Denifle de executar seu projeto de fazer um escrito crítico da vida do santo.  O amigo e aluno de Denifle, Dominic Prümmer, OP, professor de teologia na Universidade de Fribourg, Suíça , assumiu o trabalho e publicou o “Fontes Vitae S. Thomae Aquinatis, notis historicis et criticis illustrati”; and the first e o primeiro fascículofascicle (Toulouse, 1911) has appeared, giving the life of St. Thomas by Peter Calo (1300) now published for the first time. (Toulouse, 1911) apareceu, mostrando a vida de São Tomás por Peter Calo (1300) agora publicado pela primeira vez. From Tolomeo of Lucca . Por Tolomeo de Lucca . . . . . we learn that at the time of the saint's death there was a doubt about his exact age (Prümmer, op. cit., 45). aprendemos que no momento da morte do santo havia uma dúvida sobre a sua idade exata (Prümmer, op. cit., 45). The end of 1225 is usually assigned as the time of his birth. O final de 1225 é geralmente atribuído como o momento do seu nascimento. Father Prümmer, on the authority of Calo, thinks 1227 is the more probable date (op. cit., 28). Padre Prümmer, sob a autoridade de Calo, pensa que 1227 é a mais provável data (op. Cit., 28). All agree that he died in 1274. Todos concordam que ele morreu em 1274.

Landulph, his father , was Count of Aquino ; Landulph, seu pai , era conde de Aquino; Theodora, his mother, Countess of Teano. Theodora, sua mãe, condessa de Teano. His family was related to the Emperors Henry VI and Frederick II , and to the Kings of Aragon , Castile , and France . Sua família estava relacionada com os Imperadores Henrique VI e Frederico II , e aos reis de Aragão, Castela e França. Calo relates that a holy hermit foretold his career, saying to Theodora before his birth: "He will enter the Order of Friars Preachers , and so great will be his learning and sanctity that in his day no one will be found to equal him" (Prümmer, op. cit., 18). Calo relata que um santo eremita havia predito sua carreira, dizendo para Theodora antes de seu nascimento: “Ele vai entrar na Ordem dos Frades Pregadores, e tão grande será a sua aprendizagem e santidade que, em seus dias, ninguém será encontrado para igualá-lo” ( Prümmer, op. cit., 18). At the age of five, according to the custom of the times, he was sent to receive his first training from the Benedictine monks of Monte Cassino . Quando tinha cinco anos de idade, de acordo com o costume do tempo, ele foi enviado para receber sua primeira formação dos monges beneditinos de Monte Cassino. Diligent in study, he was thus early noted as being meditative and devoted to prayer , and his preceptor was surprised at hearing the child ask frequently: "What is God ?" Diligente no estudo, ele foi, assim, como observado no início, como sendo dedicado à meditação e oração, e seu preceptor era surpreendido ao ouvir a criança frequentemente perguntar: “O que é Deus?”

About the year 1236 he was sent to the No ano de 1236 foi enviado para a University Universidade of Naples .de Nápoles. Calo says that the change was made at the instance of the Abbot of Monte Cassino , who wrote to Thomas's father that a boy of such talents should not be left in obscurity (Prümmcr, op. cit., Calo diz que a mudança foi feita na instância do abade de Monte Cassino, que escreveu ao pai de Tomás que um rapaz de tais talentos não deve ser deixado na obscuridade (Prümmcr, op. Cit., 20). At Naples his preceptors were Pietro Martini and Petrus Hibernus. Em Nápoles seus preceptores foram Pietro Martini e Petrus hibernus. The chronicler says that he soon surpassed Martini at grammar, and he was then given over to Peter of Ireland, who trained him in logic and the natural sciences . O cronista diz que ele logo ultrapassou Martini na gramática, e ele foi então entregue a Pedro da Irlanda, que o treinou na lógica e nas ciências naturais. The customs of the times divided the liberal arts into two courses: the Trivium, embracing grammar, logic , and rhetoric;Os costumes do tempos dividiu as artes liberais em dois cursos: o Trivium, abraçando gramática, lógica e retórica; the Quadrivium, comprising music, mathematics, geometry, and astronomy . o Quadrivium, que inclui música, matemática, geometria e astronomia . . . . . . . Thomas could repeat the lessons with more depth and lucidity than his masters displayed. Tomás podia repetir as lições com mais profundidade e lucidez do que seus mestres apresentavam. The youth's heart had remained pure amidst the corruption with which he was surrounded, and he resolved to embrace the religious life . O coração do jovem tinha permanecido puro em meio à corrupção com a qual ele foi cercado, e ele resolveu a abraçar a vida religiosa.

segunda-feira, 7 de março de 2016

Sacerdotes casados: Eixo Brasil - Alemanha

No relato de um teólogo alemão e de um bispo brasileiro, o projeto de Francisco visando permitir exceções locais para a norma do celibato clerical. A começar pela  Amazônia.




 



Tradução: Gercione Lima


ROMA, 12 de janeiro de 2016 - Uma troca de cartas, uma entrevista e uma inovação que já se tornou lei vem confirmar a vontade do Papa Francisco de estender na Igreja Católica a presença de um clero casado, como já foi mencionado no seguinte artigo do site www.chiesa:

O terreno para o próximo Sínodo já está sendo preparado. Sobre padres casados (2015/09/12)

*

A troca de cartas ocorreu por iniciativa de um teólogo alemão proeminente, Wunibald Müller, de 65 anos, que em dezembro de 2013, escreveu uma carta aberta ao papa, amplamente divulgada pelo site oficial da Conferência Episcopal da Alemanha sob o título "Papa Francisco, abra a porta"  pedindo-lhe que elimine a obrigatoriedade do celibato para os padres.

Müller não é um qualquer. Ele é psicólogo e escritor prolífico. Fundou e dirige a "Recollectio-Haus"  junto à abadia beneditina de Münsterschwarzach, na diocese de Würzburg, a qual se encarrega de cuidar de sacerdotes e religiosos em crise existencial,  e que é financiada por outras sete dioceses (Augsburg, Freiburg, Limburg, Mainz, Mónaco -Frisinga, Paderborn, Rottenburg-Stuttgart). Além disso, a  Recollectio-Haus conta com a consultoria do conselheiro espiritual beneditino, Anselm Grün,  muito lido não só na Alemanha, mas no mundo inteiro.
A orientação de Müller está bem representada pelos títulos de suas teses de mestrado e doutorado: "O sacerdote como guia espiritual de pessoas homossexuais" e "A homossexualidade, um desafio para a teologia e o cuidado das almas".

sexta-feira, 4 de março de 2016

Outro Sacramento sob ataque de Francisco, dessa vez; a Confissão




ENCONTRO COM OS MISSIONÁRIOS DA MISERICÓRDIA
DISCURSO DO PAPA FRANCISCO
Sala Régia
Terça-feira, 9 de Fevereiro de 2016




  Queridos irmãos sacerdotes, boa tarde!


Com grande prazer me encontro convosco antes de vos entregar o mandato para serdes Missionários da Misericórdia. Este é um sinal de especial relevância porque caracteriza o Jubileu, e permite que em todas as Igrejas locais se viva o mistério insondável da misericórdia do Pai. Ser Missionário da Misericórdia é uma responsabilidade que vos é confiada, porque vos pede para ser testemunhas em primeira pessoa da proximidade de Deus e do seu modo de amar. Não é o nosso modo, sempre limitado e às vezes contraditório, mas o seu modo de amar e, o seu modo de perdoar, que é precisamente a misericórdia. Gostaria de vos oferecer algumas reflexões breves, para que o mandato que recebereis possa ser cumprido de maneira coerente e como uma ajuda concreta para as muitas pessoas que se aproximarem de vós.


Antes de tudo, desejo recordar-vos que neste ministério sois chamados a exprimir a maternidade da Igreja. A Igreja é Mãe porque gera sempre novos filhos na fé; a Igreja é Mãe porque nutre a fé; e a Igreja é Mãe inclusive porque oferece o perdão de Deus, regenerando para uma nova vida, fruto da conversão. Não podemos correr o risco de que um penitente não sinta a presença materna da Igreja que o acolhe e ama. Se faltar esta percepção, por causa da nossa rigidez, seria um dano grave em primeiro lugar para a própria fé, pois impediria que o penitente se visse inserido no Corpo de Cristo. Além disso, limitaria muito o seu sentir-se parte de uma comunidade. Ao contrário, nós somos chamados a ser expressão viva da Igreja que como mãe acolhe quem quer que se aproxime dela, sabendo que por seu intermédio somos inseridos em Cristo. Ao entrar no confessionário, recordemo-nos sempre que é Cristo que acolhe, é Cristo que ouve, é Cristo que perdoa, é Cristo que doa a paz. Somos os seus ministros; e os primeiros a ter necessidade de sermos perdoados por Ele. Portanto, seja qual for o pecado que é confessado — ou que a pessoa não ousa dizer, mas faz de modo que o entendamos, é suficiente — cada missionário está chamado a recordar a própria existência de pecador e a pôr-se humildemente como «canal» da misericórdia de Deus. E confesso-vos fraternalmente que para mim é uma fonte de alegria a recordação daquela confissão que no dia 21 de Setembro de 1953 reorientou a minha vida. O que me disse o sacerdote? Não me lembro. Só recordo que me sorriu e depois não sei o que aconteceu. Mas é acolher como pai...

quinta-feira, 3 de março de 2016

O Anticristo e o Katechon



Como será o Anticristo? Sabemos que em Paulo, nas cartas de João e Apocalipse, encontramos em todos os lugares, várias premonições de uma realidade que a tradição Católica tem identificado como (cito aqui um livro Teologia) “o príncipe do mal virá e reinará sobre o mundo no fim dos tempos antes da vinda definitiva do Filho do Homem, que estabelecerá o Novo Céu e Nova Terra”.

Muitas vezes, os crentes pensavam que esta figura misteriosa poderia ser identificada em um personagem histórico sangrento: Nero, Átila, Napoleão, Lênin, Stalin e Hitler.

No entanto, há também uma tradição cristã, embora apenas uma minoria, que define o perigoso  Anticristo ( “homem do pecado” e “filho da perdição” São Paulo) na imitação solapada de uma persuasiva e atrativa realidade e não na violência e no sangue. O livro publicado em 1907 de Robert H. Benson, o Senhor do Mundo,  mostra que o Maior Adversário de Jesus Cristo se apresenta sob o disfarce de “humanista”, um mestre de tolerância , de pluralismo, irenismo e de ecumenismo; Será um corruptor sorridente, porém, um antagonista estridente do Evangelho;
um aniquilador de dentro, em vez de um assaltante de fora.

terça-feira, 1 de março de 2016

Einstein e a prova racional da existência de Deus


Introdução do blog: “Porquanto o que se pode conhecer de Deus eles o lêem em si mesmos, pois Deus lho revelou com evidência.

Desde a criação do mundo, as perfeições invisíveis de Deus, o seu sempiterno poder e divindade, se tornam visíveis à inteligência, por suas obras; de modo que não se podem escusar”. (Romanos 1:19-20)

 

 A notícia da evidência de ondas gravitacionais, causou euforias. Ela tem sido enfatizada por todos os meios de comunicação do mundo como um dos avanços da época.


Todos têm repetido que tal evidência nos fornece, finalmente, a confirmação experimental do que Albert Einstein já havia sugerido em sua Teoria da Relatividade Geral.


Ele abriu um horizonte sem precedentes para a ciência; mas apenas os especialistas neste trabalho podem intuir o futuro cenário da pesquisa: o público em geral e os meios de comunicação não são capazes de compreender toda a importância científica deste evento.


O "caso Einstein" pode e deve ser entendido em todas as suas implicações e não pode ser reduzida apenas à narração banal e festiva da genialidade deste cientista extraordinário.


E foi ele, de fato, ao acompanhar as suas teorias - que revolucionaram a ciência - com as considerações que nos afetam como seres humanos, do mistério do universo e, finalmente, da nossa mente, em busca de Deus. Podemos dizer, como veremos, que tudo se baseia no que o próprio Einstein escreveu.


Em primeiro lugar deve-se dizer que Einstein era, essencialmente, um físico teórico. Enquanto o físico experimental constrói (precisamente) experimentos com tecnologia sofisticada para determinar os fenômenos, o físico teórico, partindo da hipótese, chega, através de equações matemáticas, enunciar as leis da físicas ainda não verificadas experimentalmente.


Por isso, o famoso estudo de Einstein sobre a relatividade, tinha previsto uma série de fenômenos e realidades físicas, cuja existência efetiva tem sido contrastada apenas em anos subsequentes.


A última e clamorosa confirmação é, precisamente destes dias. Mas muitas outras coisas intuídas por Einstein por meio teórico, já havia demonstrado sua existência na realidade. E isso tem revolucionou a física até mesmo na nossa própria vida cotidiana.


Todavia, há ainda um aspecto que escapa de todo este evento.