quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Ex-maçon denuncia: "As leis contrárias à família, vem das lojas"


Porquanto não há nada oculto que não venha a ser revelado, e nada escondido que não venha a ser conhecido e trazido à luz. (Lucas 8:17)


SergeAbad_ACIPrensaBlancaRuiz_300415


Serge Abad-Gallardo é um francês de origem espanhola que sabe como funciona a Maçonaria. Por mais de vinte anos, ele foi  membro de uma das lojas, deixando-a, após se converter ao catolicismo. Em seu livro  Por qué dejé de ser masón (Por que deixei de ser  Maçom) explica este processo e como esta sociedade funciona. O preço foi caro para ele, depois de sua publicação foi demitido de seu emprego.


Actuall falou com Serge  para conhecer a influência da Maçonaria nas leis sociais que estão a ser impostas a todo o mundo,  qual é o verdadeiro poder que detém e quem é seu principal inimigo.


Qual é a relação da Maçonaria com as leis da engenharia social, como o aborto, a eutanásia, o divórcio e o casamento homossexual?

As Leis que foram promulgadas pela Assembleia Nacional foram  pensadas e formalizadas nas lojas. Particularmente na Grande Loja da França, Grande Oriente e Direitos Humanos na França. Deste posso testemunhar que todos os anos todas as lojas de Direitos Humanos, da qual eu fui  maçom durante 23 anos, trabalham em um tema social comum e fazem um documento de síntese que as lojas enviam a seus líderes nacionais. E estes, após uma revisão final, é transmitido ao Presidente da República.

terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Modas que arrastam ao inferno




Hão de vir umas modas que ofenderão muito a Nosso Senhor ... os pecados da carne são os que levam mais almas para o inferno



Com esta contundência a Virgem falou a três pastorinhos inocentes. As crianças sabiam que a condenação eterna era real e não uma questão trivial. Eles viram com espanto o inferno angustiante aberto e o desespero dos condenados. A canção “Ave de Fátima” reflete esse mesmo ensinamento: “As modas arrastam ao fogo infernal, se vista com decência se quereis  se salvar.” Hoje, infelizmente, essas pequenas advertências foram mutiladas nas versões açucaradas da canção.

Embora seja repetitivo, vale a pena lembrar estas verdades à alma adormecida dos católicos "ligth". Elas parecem óbvias, mas poucos se dão conta, ao perder-se o sentido do pecado na sociedade, infelizmente, também entre muitos católicos infectados pelo modernismo.

Através de filmes clássicos é fácil de verificar a involução da moda no século XX. Houve um tempo, agora parece remoto, em que  se vestia com elegância e modéstia. Os homens, também os jovens, usavam terno, gravata e chapéu. Mulheres com vestidos recatados realçavam sua beleza sem mostrar certas partes do seu corpo.

sexta-feira, 25 de dezembro de 2015

Cristo nasceu em 25 de Dezembro

Por Taylor Marshall


A Igreja Católica, pelo menos desde o século II, tem afirmado que Cristo nasceu no dia 25 de dezembro. No entanto, é comum ouvirmos dizer que Nosso Senhor Jesus Cristo não nasceu no dia 25 de dezembro. Por uma questão de simplicidade, vamos definir as objeções usuais para a data de 25 de dezembro e refutar cada uma delas.


Objeção 1: 25 de dezembro foi escolhido para substituir a festa romana e pagã da Saturnália. A Saturnália era uma festividade popular de inverno e, assim, a Igreja Católica, prudentemente, substituiu-a pelo Natal.


Resposta à 1ª objeção: A Saturnália comemorava o solstício de inverno. No entanto, o solstício de inverno cai no dia 22 de dezembro. É verdade que as celebrações da Saturnália começavam a partir de 17 de dezembro e se estendiam até 23 de dezembro. Ainda assim as datas não coincidem.


Objeção 2: O dia 25 de dezembro foi escolhido para substituir o feriado romano pagão do Natalis Solis Invicti, que significa “o nascimento do Sol Invicto”.


Resposta à 2ª objeção: Vamos examinar primeiro o culto do Sol Invicto. O imperador Aureliano introduziu o culto do Sol Invictus ou “Sol Vitorioso” em Roma no ano 274. Aureliano procurava obter uma força política com esse culto, porque seu próprio nome, Aureliano, deriva da palavra latina “aurora” que significa “nascer do sol”. Moedas revelam que o Imperador Aureliano se proclamava o Solis Pontifex ou “pontífice do sol”. Assim, Aureliano simplesmente reorganizou um culto genérico ao Sol e identificou-o com o seu nome, no final do século III.

sábado, 19 de dezembro de 2015

Meditação: a Anunciação de Maria Santíssima, Senhora nossa





Ponto I. Considera quem, e a quem, e a que vem esta embaixada: o remetente é Deus onipotente, a quem envia para uma Virgem puríssima e santíssima e recatada, e escondida na pequena cidade de Nazaré: a que vem, é pedir-lhe o seu consentimento para vestir em seu seio puríssimo seio o revestimento áspero da nossa carne, porque muitas vezes Deus espera a nossa vontade e desejo para nos fazer maiores favores. Quem traz esta embaixada é um anjo dos maiores príncipes do céu, ele chegou a Bem-Aventurada Virgem Maria, prometida a São José, porque foi Virgem não só de corpo e alma, mas também a reputação de santa e boa opinião: Ele veio no momento em que estava em altíssima contemplação, como diz São Boaventura, pedindo a Deus que  abreviasse os tempos, e enviasse o Messias desejado para a redenção do mundo; quando você tem muito a aprender, e o primeiro saca deste ponto grande estima da oração e propósitos de exercitar-se nela, vendo os grandes favores que alcançou-se por ela a Rainha do céu: leva o amor de recolhimento e retiro dos homens, que é o meio mais conhecido e familiar a Deus: aprende a cuidar do bom nome, que, como disse o sábio é mais valioso do que o ouro e a prata das Índias; e, especialmente a estimar a virtude, pois, por ela foi escolhida esta Santíssima donzela para Mãe de Deus, deixando a tantas quanto se fala no mundo de grande glória e grandeza  aos olhos dos homens.

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Encenação maçônica e teologia feminista - ad limina apostolorum





Eu não sei como se sentiu no céu o bom  São Pedro, vendo sua Praça adornada para a vigília Masônica-espetacular de 07 de dezembro. Seu corpo está enterrado nas Grutas  Vaticanas, e a cúpula da basílica que leva seu nome tem sido referência - por séculos - para toda a cristandade. Tampouco sei como se sentirão na eternidade os papas que construíram a Basílica do Príncipe dos Apóstolos. E muito menos os Michelângelos, Berninis e outros artistas que colocaram sua genialidade a serviço da Igreja para construir a Sé de Pedro, onde reside o Vigário de Cristo, muito antes de o próprio vigário vai lutar para ser considerado exclusivamente O Bispo de Roma . Como se pudesse escapar de um dos títulos, escondendo o outro.

Confesso que eu fui surpreendido quando eu vi pelos tablets de meus noviços o show espetacular, a encenação surpreendente e impressionante de exposições fascinantes, vistosa e luxuosa. Sobre estas questões ninguém diz que a Igreja deve ser pobre. Isso se aplica apenas aos cálices e canecos da liturgia e aos apartamentos dos cardeais a quem pretende depor (aparentemente, os cardeais “amigos” devem viver em casas de junco). Eu não sei muito sobre finanças, mas não me diga que isso custou pouco dinheiro. Claro que eles vão nos dizer que foi financiado por diversas empresas mais ou menos integradas na MUI (Maçons Unidos Internacional), mas qualquer cristão liberal-francisquista diria que esse dinheiro poderia ter sido dado aos pobres .... e, certamente, o MUI teria feito uma doação substancial.

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

"Deus é Pai e Mãe": Francisco chama a "revolução da ternura" e critica a própria Igreja


 

 

ZENIT publicou uma tradução em Inglês da entrevista dada pelo Papa Francisco para Credere, a revista oficial do Jubileu da Misericórdia. Reproduzimos os extratos mais importantes; grifos do autor. No final do artigo, nós incluímos nossos comentários sobre o perigo extremo para a fé católica da declaração do papa a respeito de Deus “é Pai e Mãe.”

O texto italiano da entrevista foi publicada no site do Vaticano, em 2 de Dezembro de 2015. Nós repetimos: o original desta entrevista está publicada no site do Vaticano.

sábado, 12 de dezembro de 2015

Começa o Ano da Misericórdia: Petição para Francisco mudar o rumo ou renunciar

ac550b751c05d513d859ea611f80b816_XL
Oh Maria concebida sem pecado rogai por nós que recorremos a vòs






The Remnant solicita a S.S. Francisco que mude de rumo ou renuncie ao cargo de Sucesor de S. Pedro



Santidade:

Celestino V (reinou em 1294) e reconheceu incapacidade para o cargo, ao que tinha sido eleito de uma forma muito inesperada sendo o eremita Pietro da Morrone, e percebendo o grave dano que ele estava fazendo à igreja com seu governo inepto, abdicou depois de um reinado de apenas cinco meses. Clemente V o canonizou em 1313. Para  não se duvidar da validade de ttão inusitado ato pontifício, Bonifácio VIII, confirmou a perpetuidade (ad perpetuam rei memoriam) “que o Romano Pontífice é livre para abdicar do seu cargo.”

São cada vez mais, os católicos, incluindo bispos e cardeais, que estão conscientes de que o vosso pontificado, também o resultado de uma eleição imprvista, também está causando sérios danos à Igreja. Já não se pode mais negar que  falta a capacidade ou a vontade que tão assertadamente falou seu predecessor que deve cumprir todo pontífice: “ vincular-se constantemente  a si mesmo e à Igreja a a obediência à Palavra de Deus, contra todos os intentos de adaptação e modificação, bem como contra todo oportunismo”.

Pelo contrário, como se pode ser visto nos fatos de que reunimos, Vossa Santidade deu inúmeras indicações de ter uma hostilidade alarmante para a doutrina, a disciplina e a prática tradicional da Igreja e aos fiéis que as defendem, enquanto manifesta preocupação com as questões sociais e políticas que não são da responsabilidade do Romano Pontífice. Como resultado, os inimigos da Igreja constantemente se alegram com seu pontificado, exaltándo-o acima de seus antecessores. Esta situação alamitoso  é sem precedentes na história da Igreja.

No ano passado, falando sobre a abdicação de Bento XVI, Vossa Santidade disse que faria o mesmo se se sentisse incapaz de realizar seus deveres. No primeiro aniversário da abdicação de Bento pediu aos fiéis para acompanhá-lo em suas orações pelo Papa Bento XVI, “um homem de grande coragem e humildade.”

Com grande preocupação, e sob o olhar d'Aquele que nos julgará no Último Dia, estes humildes súditos rogam respeitosamente à Vossa Santidade pela mudança de rumo para o bem da Igreja e das almas. Se isso não for possível, não é preferível que Vossa Santidade renuncie à Cátedra de São Pedro do que presidir uma catastrófica transigência na integridade da Igreja?

Nós fazemos as nossas próprias, as palavras de Santa Catarina de Siena, Doutora da Igreja, em sua famosa carta a Gregório XI, pedindo-lhe para dar bons rumos para a Igreja em uma de suas maiores crises: “Deus o concedeu autoridade assumistes. Portanto,  deve usar a sua força e autoridade. E se  não estiver disposto a usá-las, é melhor  abandonar a posição que  tinha tomaste ...”

Maria, Auxílio dos Cristãos, rogai por nós!

Seus súditos em Cristo,

Christopher A. Ferrara
 Michael J. Matt
 Dr. John Rao
 Professor Brian McCall
 Elizabeth Yore
 Timothy J. Cullen
 Chris Jackson
 Michael Lofton
 Pai Celatus
 Connie Bagnoli
 Susan Claire Potts
 Robert Siscoe
 John Salza, Esq.
 Vincent Chiarello
 John Vennari



sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

A basílica de São Pedro é profanada

http://www.acidigital.com/imagespp/FiatL.jpg









A imagem que estará associada com a abertura do Jubileu extraordinário da Misericórdia não será a cerimônia antitriunfalista celebrada por Francisco na manhã do dia 08 de dezembro, mas o estrondoso espetáculo Fiat lux: iluminação da nossa casa comum, que pôs fim à jornada inundando de luz e sons a fachada e a cúpula de São Pedro.

Junto à fundação patrocinada pelo Grupo do Banco Mundial, imagens de leões, tigres e leopardos sobreposto de proporções gigantescas se sobrepunha à fachada de São Pedro, que significa precisamente sobre as ruínas do Circo de Nero, onde os animais selvagens devoravam cristãos. O jogo de luz parecia que a basílica foi colocada a baixo, e foi dissolvida, submerça. Sobre a fachada passavam peixe-palhaço e tartarugas marinhas, fazendo pensar na liquefação das estruturas da Igreja, desprovida de qualquer elemento que poderia trazer-lhe força. Uma enorme coruja e animais estranhos aéreos voavam em torno da cúpula, e monges budistas passavam caminhando fazendo entender que existe uma forma alternativa de salvação ao Cristianismo. Em momento nenhum se mostrou qualquer símbolo religioso ou qualquer alusão ao Cristianismo; a Igreja deu lugar à natureza soberana.

terça-feira, 8 de dezembro de 2015

Festa da Imaculada Conceição

Imaculada Conception_CANO, Alonso


8 de Dezembro




<< Tota pulchra es. Toda sois formosa, ó Maria, e não há em vós, mácula original. >> Este grito de espanto que faz de portada ao ofício da Imaculada Conceição, corresponde bem aos sentimentos, que dominam a humanidade, ao ver-se presa da sordidez do mal, na presença da pureza irradiante da Virgem Santíssima. Decretara Deus, desde toda a eternidade, fazer de Maria Mãe do Verbo Encarnado e, por essa razão, a revestiu com as galas da santidade e lhe tornou a alma morada digna para seu Filho. A redenção total, que desde a Conceição, preservava a Senhora do contágio do mal, não deve separar-se da nossa própria redenção operada por Jesus. Colocada no coração do Advento, a festa da Imaculada Conceição anuncia os esplendores da encarnação redentora. Instituiu-a Pio IX, depois da proclamação do dogma, em 8 de Dezembro de 1864, mas esta solenidade tinha já, na história da Igreja, mais de um precedente.

Já no século VII se celebrava no Oriente a festa da Conceição da Virgem Santíssima e no IX e XI vamos encontrá-la respectivamente na Irlanda e na Inglaterra. Estas festas antigas são a voz da tradição a testemunhar, a respeito de Nossa Senhora, o culto ininterrupto da sua pureza imaculada, e Pio IX, definindo dogma a Imaculada Conceição, não fez mais que precisar, em termos teológicos, o que vinha sendo, através de séculos, a fé constante da Igreja.

Em primeira instância de sua concepção, por um privilégio singular e graça concedida por Deus, em vista dos méritos de Jesus Cristo, o Salvador do gênero humano, foi preservada isenta de toda mancha de pecado original.

domingo, 6 de dezembro de 2015

Meditação: do Juízo Final




Ponto I. Considera os sinais espantosos que precederão a este dia último e final do mundo; como os homens se portam quando chega o seu fim, quando se encontra perto da morte, as quais, disse Cristo, que serão tais, que ficarão secos e estupefatos de tanto temor, por que  mesmo os céus terão medo e perderão seu curso, a ordem e a harmonia que guardaram até agora; e desconcertado aquele relógio, pelo qual se rege e governa todo o mundo, ele também se desconcertará, e os elementos sentindo seu fim se alterarão batalhando entre si terrivelmente; o mar se  enfurecerá rompendo suas fronteiras, e saindo furiosamente do seu espaço, sumirá em seu abismo todos que nessa hora nele navegarem; os ventos rugirão terrivelmente e com grande furor que perturbarão os montes e sepultarão as cidades; a terra tremerá e abrirão suas entranhas em muitas partes e sepultará vivos os homens, e arruinará todos os seus edifícios e as feras buscarão os povoados, e os homens, a caverna dos brutos e feras para abrigar-se nelas e ninguém achará segurança: a estrelas se desencadearão do céu e cairão sobre a terra, como se sacudisse uma árvore e caísse seus frutos no solo; e por último, o fogo contra seu próprio natural, cairá de sua região e abrasará toda a terra e tudo o que a embelezava e havia de valor nela, deixando-a por toda a parte coberta de funestas cinzas. Considera que tal será o dia, quando sua véspera é tão espantosa e tremenda, e que sentirão os homens que se acharão vivos naquele tempo, e sentirás tu, que com um trovão das nuvens te cobre de temor e tremor. Contempla o tempo despido desta aparência, e manifestando o que encerra dentro dele, que tudo é um pouco de pó e cinza: perceba que pararam suas honras, suas dignidades, suas riquezas, suas delícias, suas cidades, jardins e paraísos, e aprenda a se desapegar do que vale tão pouco, e apreciar somente o eterno e verdadeiro, que nunca há de se acabar.