quinta-feira, 15 de junho de 2017

Festa de Corpus Christi - Corpo de Cristo


“Corpo e sangue do meu Deus, eu vos adoro, presentes na Eucaristia, ao mesmo tempo símbolo e fermento da unidade entre Cristo e os fiéis, que dela se alimentam. (Na Igreja dos primeiros séculos Cristo era simbolizado por um peixe, porque as letras desta palavra, em grego, eram as iniciais de << Jesus Cristo, filho de Deus, Salvador >>).


FESTA DO CORPO DE CRISTO


 A festa do Corpo de Cristo remonta ao século XIII. Instituiu-a, em 1246, o bispo de Liège, na sua diocese a pedido instante de Santa Juliana, prioresa de um convento situado às portas da cidade, no monte Cordillon. Passados anos, Urbano IV, antigo arcediago de Liège, estendeu-a à Igreja universal. A procissão do Santíssimo, que dela faz parte, tornou a festa do Corpo de Cristo, em pouco tempo, uma das mais queridas do povo. Com a sua fé na presença real, canta a Deus nesta solenidade, o reconhecimento de todos os benefícios auferidos neste sacramento. A Eucaristia liga-se intimamente à vida da Igreja e dos fiéis. Pode dizer-se que é na Eucaristia que esta vida que se vai haurir e que nela se exprime continuamente. Na Santa Missa, a Igreja atualiza sobre nossos altares, o sacrifício de Cristo, fonte da redenção, e oferece-o incessantemente a Deus, em união com o próprio Cristo. Na Sagrada Comunhão, é a união íntima dos fiéis com Cristo, por eles imolado, que se opera, e a transfiguração de suas vidas pela D’ele: nascidos para a vida da graça, nas águas batismais, alimentam-se na Eucaristia, como dum pão celeste.

A missa e o ofício foram compostos por São Tomás. Ai se encontra, com a alma do Santo, a precisão de doutrina do grande Teólogo.


A BÍBLIA E A LITURGIA DESTE DIA
Para a leituras a fazer sobre a Eucaristia, ver 4º  Domingo da quaresma e o 6º  depois de Pentecostes (simbolismo eucarístico da multiplicação dos pães, Marcos 6: 30-44; 8: 1-9) bem como o 2º  Domingo depois da Epifania ( simbolismo eucarístico das Bodas de Caná, João:2 1-11). Atender também à árvore da vida, plantada no meio do paraíso terrestre (Gêneses 2:9; 3:22) assim será a Nova Jerusalém (Apocalipse 2:7; 2:2, inspirando-se em Ezequiel 47:12); ao sacrifício de Melquisedeque (Gêneses 14:18-20); ao alimento misterioso, que sustentou Elias no deserto (III Reis 19:1-8). Muitos são os textos que nos falam do maná (Deuteronômio 8 – Naum 9:15,20-21 – Salmo 104:40-41 – Sabedoria 16: 20-26 – Apocalipse 2:17).  Tanto quanto possível meditar e aplicar I Coríntios 5:7-9.
Fonte: Missal Cotidiano


Nenhum comentário:

Postar um comentário