segunda-feira, 26 de junho de 2017

500 ANOS DE REFORMA: UM BRINDE!(?) – AIRTON VIEIRA

Introdução

O trabalho em pauta, publicado em 2016 inicialmente sob o título de Evangélico, graças a Deus!(?), em uma pequena tiragem de 300 exemplares (já esgotada), foi realizado no intuito de dar meu “óbolo da viúva” a um tema que este ano adquire todo um significado, porque todo um programa contra a Igreja de Cristo. Consciente de minha estatura, não pretendi nem pretendo, nesta versão digital, se sobrepor às vozes mais credenciadas que antes, durante e depois de mim se pronunciam sobre o tema, mas tão somente ecoá-las e mesmo difundi-las para que a ignorância vencível possa, aos de boa vontade, ser de uma vez superada, pois disso dependerá a salvação de muitos e mesmo a boa ordem social humana.

Entretanto, o fato de se escolher uma forma de abordagem mais informal e direta para tratar do assunto, o que aqui é o caso, não dispensará o raciocínio lógico e o bom senso, ao contrário, serão eles fundamentais para a compreensão das questões propostas ao longo da leitura. No ensejo, alerto que a ironia será parte integrante do trabalho, mas como figura de linguagem, não gratuita, pois que será utilizada para combater ideias, pensamentos, doutrinas e práticas, não pessoas, ainda que algumas sejam citadas. Ao contrário do vulgo pensamento moderno, tão antigo quanto o homem, a melhor maneira de res­peitarmos alguém é não respeitar os seus erros uma vez que se manter no erro é reduzir ou mesmo abolir a dignidade de filhos de Deus, preferindo a lavagem dos porcos ao banquete oferecido pelo Pai celestial. De onde vem o propósito desta obra: não se respeitar os erros para se respeitar a quem erra.

500 ANOS DE REFORMA: UM BRINDE!(?) – AIRTON VIEIRA

apresentação
Há um ano foi lançado o livro “Evangélico, graças a Deus!(?)”, de Frei Zaqueu (pseudônimo literário de Airton Vieira), como disse o autor, no intuito de oferecer “meu óbolo da viúva” a um tema tão candente mas infelizmente mal compreendido à maioria dos católicos e protestantes, de maneira especial nesses tempos de pseudo-ecumenismo. Com espírito de gratidão e amor à verdade o colocaremos à disposição dos leitores agora em formato virtual (revisado e atualizado), sob o título acima, sendo previamente autorizada sua reprodução “a maior glória de Deus, o nosso bem e de toda a Santa Igreja”.

Durante os meses que seguirão abordaremos, aos sábados, um aspecto deste que ainda hoje é pouco e mal conhecido tanto em suas causas como em seus efeitos: o Protestantismo. O objetivo do autor, como o diz no livro, foi o de somar com seu “óbolo” ao que muito foi dito por pessoas mais abalizadas. Em outras palavras: dizer o mesmo de forma distinta. Por questões compreensíveis a intenção não será a de esgotar o índice das polêmicas entre católicos e protestantes, mas somente a de levar o leitor a aprofundá-lo, o que poderá ser feito com as indicações de fontes no corpo do texto e principalmente ao final destas postagens. Para isso, iniciaremos no próximo sábado com uma pequena introdução acrescida de algumas notas que permitam a melhor compreensão do que virá. Em todas as postagens remeteremos o leitor ao link desta Apresentação/Introdução a fim de lhe contextualizar a leitura.

Nas postagens que se seguirão foram selecionados, não por acaso, 17 temas em que, apesar de não esgotar o terreno de abrangência das “heresias protestantes” (os que não estiverem familiarizados com estes termos assim unidos, ou mesmo discordem de sua união, poderão ao decorrer da leitura entender o porquê de não poderem ser postos em separado), atingem pontos centrais da sã doutrina católica maculada pelo luteranismo e seus consequentes. Por isso, ao final será ainda acrescida uma pequena biografia de Lutero utilizando-se de fonte crível, pois sem o conhecimento do criador não se é possível entender a contento a criatura.

Assim foi como a Maçonaria intentou ocultar e reprimir a mensagem de Fátima

Así fue cómo la masonería intentó por todos los medios ocultar y reprimir el mensaje de Fátima
Pese aos intentos dos maçons, que ocupavam importantes cargos, a mensagem de Fátima chegou ao mundo

A mensagem de Fátima, do que se cumprem justo agora 100 anos, alertava das consequências do comunismo. Mas em seu momento houve a quem a mensagem que a Virgem deixou aos três pastorzinhos e ao mundo inteiro tampouco foi do agrado. Desde o princípio, os maçons tentaram silenciar e ocultar o que ocorreu em Fátima ainda que não o conseguissem. Assim o relata Cari Filii News:

Desde começos do século XX, influíam em Portugal correntes políticas e ideológicas anticlericais vinculadas a lojas maçônicas que buscavam arrancar a fé do coração dos habitantes, as aparições de 1917 em Fátima se inscreveram em um clima político e social abertamente anticatólico, tal e como conta Jean-Baptiste Noé em Aleteia.

As repressões das que foram vítimas os católicos de Portugal se enquadravam em um contexto europeu de anticlericalismo virulento e no contexto português de uma antiga luta contra a Igreja.

Podemos remontar a origem ao marques de Pombal (1699-1782), diplomático do rei, que se converteu no primeiro ministro de José I.

sábado, 24 de junho de 2017

Dia de São João Batista





<Eis o Cordeiro de Deus>, cuja                           
divindade é proclamada pela voz

celeste e pela pomba divina: e que

quis, no entanto, receber o batismo
de João, o Precursor.

24 DE JUNHO


NASCIMENTO DE SÃO JOÃO BATISTA


Celebrando o nascimento de São João Batista,  Igreja festeja a aurora da Redenção; seis meses antes do Natal, o nascimento do Precursor anuncia o mistério da Encarnação e participa da sua grandeza. Na Idade Média era considerado como que uma espécie de Natal do verbo, com três missas como o Natal; a liturgia realça a afinidade das duas festas: basta ler a secreta e a pós-comunhão, bem como a antífona do Magnificat das 2ª vésperas.



quinta-feira, 22 de junho de 2017

Portugal, os incêndios e Fátima



A humanidade hoje já se habituou a não chamar as coisas pelo seu nome ou para esconder o que é desagradável.


Dissimular o que é desagradável pode ser feito de duas maneiras: esconder a verdade ou fabricar falsidades. Embora sejam duas formas de distorcer a realidade elas estão geralmente intimamente ligadas.

De qualquer forma ninguém deveria perder isso de vista porque parece que estamos a testemunhar um momento histórico, em que o pai da mentira está implantando todo o seu poder.

Dos procedimentos citados - ocultação da verdade ou sua falsificação - , cada uma das sociedades, a Civil e a Eclesiástica, tem mostrado claramente a sua preferência por um método:

A Sociedade Civil decidiu, como instrumento mais prático e suficiente, a lei do silêncio, sem significar que não faça uso do outro procedimento quando necessário.

A Sociedade Eclesiástica, no entanto, prefere usar abertamente o sistema da proclamação da mentira, depois de verificar que o conjunto dos fiéis já está suficientemente emburrecido, sem capacidade de pensar, muito menos decidir. É neste sentido, e apenas neste sentido, como pode-se dizer, que o uso do silêncio não anda longe de ser estranho para aqueles que dirigem a Sociedade Eclesiástica.

segunda-feira, 19 de junho de 2017

Comissão Maçônica Europeia atuará contra Polônia, Hungria e Rep. Tcheca por negarem-se a acolher refugiados

Dimitris Avramópulos

A Comissão Europeia anunciou a abertura de um processo por infração contra a Hungria, a Polônia e República Checa por se recusar a aceitar os requerentes de asilo da Itália e da Grécia.


Temos esgotados todos os meios no último ano. Pedi a esses países  para cumprirem os seus compromissos”, disse à imprensa o Comissário Europeu para a Imigração, Dimitris Avramopoulos  em uma entrevista coletiva.

O Comissário lembrou que todos os Estados-Membros se comprometeram a acomodar os requerentes de asilo que estavam na Itália e na Grécia e cumpri-lo é “uma obrigação”.
Ao mesmo tempo, ele espera que esses três países  “reconsiderem a sua posição”.
De acordo com Avramópulis, Hungria, Polônia e República Checa “não fizeram nada por um ano” em relação às suas obrigações.

sábado, 17 de junho de 2017

Em três anos o número de exorcismos triplica e dispara o número de exorcismo

Os bispos franceses oferecem números e mostram sua preocupação

Em somente 10 anos o número de exorcismos se triplicou e disparou as petições de auxílio


En sólo 10 años el número de exorcismos se ha triplicado y disparado las peticiones de auxilio
Os exorcistas alertam continuamente dos perigos de abrir a porta ao demônio como por exemplo com a ouija, muito popular entre os jovens




Javier Lozano - Traduão: Airton Vieira de Souza

O número de exorcismos não para de aumentar na França e a cifra de pessoas que acode à Igreja pedindo ajuda ante possíveis casos de possessão ou influência demoníaca se multiplica. Quem faz esta análise é o sacerdote Emmanuel Coquet, secretário geral adjunto da Conferência Episcopal francesa, de onde também coordena a Oficina Nacional de Exorcistas.

Em todas as dioceses francesas, mais de 90, existe já ao menos instalado um exorcista cuja missão o foi encomendada pelo bispo. Neste momento, há 120 sacerdotes desempenhando este ministério. Há não mais de 30 anos não superavam os 30, havendo dezenas de dioceses nas que não tinham exorcistas.

“Há um reconhecido aumento. Os exorcistas são golpeados por um fenômeno que se está tornando cada vez mais importante”, assegura este sacerdote ao diário
Le Figaro, enquanto explica que cada exorcista é assistido por uma equipe de leigos e religiosos.

50 exorcismos e 2.500 petições ao ano só na zona de Paris, Coquet dá cifras desta evolução pondo como exemplo a Ilha de França, a região que alberga a cidade de Paris e seus arredores, zona que soma mais de 12 milhões de habitantes. Esta região está conformada por oito dioceses: Creteil, Evry, Meaux, Nanterre, Paris, Pontoise, Saint-Denis e Versailles, nas que há mais de 7 milhões de católicos e cujo arcebispo metropolitano é o cardeal Vingt-Trois.



Emmanuel Coquet deixa claro aos leitores de Le Figaro que o demônio é real, não algo "simbólico"



Há dez anos se produziam na Ilha de França um máximo de 15 exorcismos ao ano. Na atualidade se realizam mais de 50. As cifras se dispararam em algumas dioceses tendo chegado ano passado a mais de 2.500 petições. Se produz um exorcismo por cada 143.000 católicos e um pedido de ajuda à Igreja por cada 2.800 católicos. E os bispos se estão vendo obrigados a nomear mais exorcistas pois os que há não podem fazer mais.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Fátima, requalificada





 Tradução de Airton Vieira – Requalificar um terreno, se converteu há anos em uma ocasião estupenda para enriquecimento de políticos de todo naipe. Uma zona que estava tendo um uso rural, se requalificava convenientemente para ter uso turístico; subia o preço da terra e nesse trajeto, nada por aqui, nada por ali… saíam alguns milhõezinhos a distribuir entre os pixulecos de turno, comissionistas, prefeitos ou mediadores vários. Isso passou na Espanha durante todo o tempo do boom turístico, ainda que há que reconhecer que hoje em dia este tipo de ações se fazem com mais descaro, mais estilo e resultados de mais volume. Em todo caso, a requalificação permitia dar um uso distinto ao que se estava dando até o momento, para lucrar todo e cada qual.
Hoje em dia, na Igreja de Francisco (parece que ele é o proprietário), se está requalificando tudo, sem pressa mas sem pausa. Seguindo o calendário bergogliano e os estatutos da máfia de São Galo, que é a que parece ser que montou o negócio, provavelmente com capital judeu e outras aquiescências multicores. O caso é que a desmitologização proposta por Bultmann foi um jogo de crianças comparado com  isto. O protestante Bultmann deslumbrou a todos os teólogos e hierarcas católicos da época, ao propor desmitologizar os milagres e todo o conteúdo do Evangelho que se presumisse mito, ou seja, não exatamente histórico. Com este método, se carregou os Evangelhos em sua totalidade, pois, se comprovou cientificamente que tudo era mito. Graças a Bultmann e seus católicos coroinhas, babosos e corifeus vários, podemos interpretar existencialmente o que não era mais que uma pura crença mitológica, exagerada pelo panfletismo intelectual da época e mantida pelos centro de poder interessados.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Santo Antônio de Pádua

Resultado de imagem para santo antonio


13 de junho

Falaremos aqui do verdadeiro Santo Antônio, o Martelo dos Hereges, pelo ardor e zelo que defendia a fé. Bem diferente da imagem adocicada de “casamenteiro” apresentada pela mídia de massa com apoio do clero modernista cujo objetivo é ridicularizar a fé.


Taumaturgo Franciscano, nascido em Lisboa, 1195; Morreu em Vercelli [na verdade Arcella - Ed.], em 13 de junho de 1231. Ele recebeu no batismo o nome de Fernando.

Escritores posteriores do século XV afirmam que seu pai era Martin Bouillon, descendente do renomado Godofredo de Bouillon, comandante da Primeira Cruzada, e sua mãe, Theresa Tavejra, descendente de Froila I, quarto rei das Astúrias. Infelizmente, no entanto, sua genealogia é incerta; Tudo o que sabemos de seus pais é que eles eram pessoas nobres, poderosas e tementes a Deus, e no momento do nascimento de Fernando ainda eram jovens e viviam perto da Catedral de Lisboa.

Tendo sido educado na escola da Catedral, Fernando, aos 15 anos de idade, juntou-se aos Cônegos Regulares de Santo Agostinho, no convento de São Vicente, fora das muralhas da cidade (1210). Dois anos depois, para evitar ser distraído por parentes e amigos, que freqüentemente o visitava, conseguiu a permissão de seu superior no Convento de Santa Cruz em Coimbra (1212), onde permaneceu por oito anos ocupando seu tempo principalmente com estudo e oração. Dotado de um excelente entendimento e de uma memória prodigiosa, ele logo se encontrou nas Sagradas Escrituras e nos escritos dos Santos Padres, um tesouro do conhecimento teológico.

Festa de Corpus Christi - Corpo de Cristo


“Corpo e sangue do meu Deus, eu vos adoro, presentes na Eucaristia, ao mesmo tempo símbolo e fermento da unidade entre Cristo e os fiéis, que dela se alimentam. (Na Igreja dos primeiros séculos Cristo era simbolizado por um peixe, porque as letras desta palavra, em grego, eram as iniciais de << Jesus Cristo, filho de Deus, Salvador >>).


FESTA DO CORPO DE CRISTO


 A festa do Corpo de Cristo remonta ao século XIII. Instituiu-a, em 1246, o bispo de Liège, na sua diocese a pedido instante de Santa Juliana, prioresa de um convento situado às portas da cidade, no monte Cordillon. Passados anos, Urbano IV, antigo arcediago de Liège, estendeu-a à Igreja universal. A procissão do Santíssimo, que dela faz parte, tornou a festa do Corpo de Cristo, em pouco tempo, uma das mais queridas do povo. Com a sua fé na presença real, canta a Deus nesta solenidade, o reconhecimento de todos os benefícios auferidos neste sacramento. A Eucaristia liga-se intimamente à vida da Igreja e dos fiéis. Pode dizer-se que é na Eucaristia que esta vida que se vai haurir e que nela se exprime continuamente. Na Santa Missa, a Igreja atualiza sobre nossos altares, o sacrifício de Cristo, fonte da redenção, e oferece-o incessantemente a Deus, em união com o próprio Cristo. Na Sagrada Comunhão, é a união íntima dos fiéis com Cristo, por eles imolado, que se opera, e a transfiguração de suas vidas pela D’ele: nascidos para a vida da graça, nas águas batismais, alimentam-se na Eucaristia, como dum pão celeste.

A missa e o ofício foram compostos por São Tomás. Ai se encontra, com a alma do Santo, a precisão de doutrina do grande Teólogo.