domingo, 4 de dezembro de 2016

A intolerável agresão a "quatro cardeais"

Sinodo dei vescovi

Eis quem são os novos inquisidores.


Riccardo Cascioli - Tradução: Gercione Lima
01-12-2016

Eles foram pintados como "velhos imbecilizados",  quatro cardeais isolados e fora do mundo, remanescentes de uma igreja ultrapassada, que vê apenas a rigidez da doutrina e não compreende a misericórdia que entra nas dobras da vida. Em suma, um refugo da Igreja, um apêndice marginal sequer digno de um "sim" ou "não" às suas perguntas.

No entanto, eles devem despertar um grande medo já que não é de hoje que estamos assistindo a um contínuo assalto de insultos e acusações, que se tornaram agora um verdadeiro linchamento midiático contra a quatro cardeais - Raymond Burke, Walter Brandmüller, Carlo Caffara e Joachim Meisner – réus por terem tornado pública as cinco "Dubia"  que já foram apresentadas ao Papa Francisco sobre a exortação apostólica Amoris Laetitia. Chegamos ao ponto em que temos até pedidos de demissão do Colégio dos Cardeais ou, alternativamente, sugestões para que o Papa remova deles o barrete cardinalício.

Os protagonistas são os mais variados: bispos que querem acertar contas pessoais, ex- filósofos que negam o princípio da não-contradição, cardeais amigos do Papa Francisco, que apesar da idade não abandonaram os sonhos revolucionários, intelectuais e jornalistas que se vêem como "guardiães da revolução ", e o inevitável Padre Antonio Spadaro, diretor da Civilização Católica e verdadeira eminência parda por trás deste pontificado, tanto que ele se tornou conhecido em Roma como vice-Papa. Este último pois, como um adolescente qualquer, tornou-se o protagonista de bravatas em redes sociais que deixam qualquer um estupefato: primeiro com um tweet dirigido ao Cardeal Burke comparando-o com o "verme idiota" ( Grima Wormtongue) da trilogia O Senhor dos Anéis (twitt em seguida, deletado); em seguida, ele começou a relançar tweets ofensivos contra os quatro partidos cardeais a partir de uma conta fake com o título "Habla Francisco" (Francesco fala), que ontem se descobriu que tem o mesmo endereço de e-mail do Padre Spadaro na Civilização Católica. E, em seguida, o inevitável Alberto Melloni, ponto de referência da Escola de Bolonha, que trabalha por uma reforma da Igreja, fundada sobre o "espírito" do Concílio Vaticano II.

Festa de Santa Bárbara



4 de Dezembro

Vírgem e Mártir


Apresentamos aqui ao católico um pequeno resumo da vida de Santa Bárbara, exemplo de cristã que deu sua vida e derramou sangue por amor a Nosso Senhor.
A abordagem aqui é católica sem o diabólico sincretismo que a diluiu no paganismo do candomblé, desgraçadamente, muitos católicos por culpa ou desinformados pelo próprio clero, prestam oferendas idolátricas a entidades falsas.






Nascida na cidade de Nicomédia, atual Izmit, Turquia, século III. Não há nenhuma referência a St. Barbara contained in the Santa Bárbara contida no authentic autêntico early  historical histórico authorities das autoridades for Christian antiquity, neither does her name appear in the original recension of St. Cristãs da antiguidade, nem o seu nome aparece na recensão original do martirológio de São JerônimoJerome's martyrology .Veneration. A veneração of the saint was common, however, from the seventh century. da santa ficou comum, no entanto, a partir do século VII. At about this date there were in existence Mais ou menos nessa data havia a existência legendary do notório Acts Ato of her martyrdom which were inserted in the collection of Symeon Metaphrastes and were used as well by the authors (Ado, de seu martírio que foi inserido na coleção de Simeão Metaphrastes e foram usados ​​também para ampliar o martirológio composto durante o século IX Western na Europa Ocidental. Europe  According to these narratives, which are De acordo com estes relatos, que são essentially essencialmente the same, Barbara was the daughter of a os mesmos, Barbara era a filha de um rich rico heathen named pagão chamado Dioscorus Dióscoro .. She was carefully guarded by her father who kept her shut up in a tower in order to preserve her from the outside world. Ela foi cuidadosamente guardada por seu pai, que a mantinha trancada em uma torre a fim de preservá-la do mundo exterior. Por ser muito rica e bela, An várias offer ofertas of de marriage casamento which was received through him she rejected. foram feita ao pai mas, foram todas rejeitadas por ela.

Desconcertado diante da cidade, Dióscoro estava convencido que as “desfeitas” da filha justificavam-se pelo fato dela ter ficado trancada muitos anos na torre. Então, ele permitiu que ela fosse conhecer a cidade; durante essas visitas ela teve contato com cristãos, que lhe contaram sobre os ensinamentos de Jesus, sobre o mistério da união da Santíssima Trindade. Pouco tempo depois, um padre vindo de Alexandria a batizou.Before going on a journey her father commanded that a bath-house be erected for her use near her dwelling, and during his absence Barbara had three

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

Ofensas ou dúvidas? O novo Pai Nosso

jesus


Esta oração foi alterada do seu sentido tradicional, há alguns anos pelo CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano) .... Sua Santidade João Paulo II pediu que em todas as partes se reze igual  e exortou aos bispos para alcançar um único Pai Nosso. Ordem excessivamente curiosa, pois,  a missa em latim era rezada em todas as partes igualmente e agora não. Infelizmente ninguém disse o óbvio, o sensato: Deve permanecer o Pai Nosso Tradicional, a menos que haja um erro grave na tradução.

Bispo Bernard Fellay- Autêntico Testemunho Católico.

img_0536b



Tradução: Gercione Lima


No dia 04 de novembro de 2016 - o dia da cerimônia de abertura do novo Seminário da Sociedade de São Pio X em Dillwyn, Virginia - três crianças pequenas foram abençoadas com uma cerimônia de Confirmação por Sua Excelência, o Bispo Bernard Fellay. Tudo em torno desta pequena cerimônia - com cerca de vinte sacerdotes, seminaristas e diferentes membros da família reunidos em torno – transformou o que seria, um pequeno evento em algo muito grande e santo. Cada indivíduo que estava presente, sem dúvida, vai narrá-lo como uma das grandes bênçãos de sua vida.


Tal como acontece com muitas dessas bênçãos, esta começou com uma cruz. As confirmações estavam pra começar no início da noite, às 6:30 horas, após a longa cerimônia de abertura do Seminário. O pequeno grupo de famílias, padrinhos e seminaristas estava reunido em volta da pequena capela provisória do Seminário (que será um dia será substituída por uma igreja maior, ao lado do Seminário) quando de repente um seminarista vindo do corredor, pôs-se de pé diante dos fiéis e nos disse que Dom Fellay tinha acabado de sofrer um acidente, e que ele tinha machucado o pé. Alguns médicos especialistas estavam examinando-o naquele momento, assim disse-nos o seminarista. Tivemos que esperar mais trinta minutos a fim de termos mais notícias. E não deu outra, acabamos tendo que esperar uma hora mais ou menos, sem saber se a cerimônia iria acontecer ou não. 

Foi por volta das oito horas da noite que o seminarista veio pela última vez (após várias atualizações) até a capela. Uma vez que o bispo não podia andar, fomos convidados a nos dirigir aos aposentos privados de Sua Excelência no andar superior, para que ele pudesse ajudar os pequeninos a se tornarem soldados de Cristo. Quando estávamos todos reunidos na modesta salinha, Dom Fellay veio nos cumprimentar. Entre todos nós que estávamos na sala é provável que ninguém jamais se esqueça do que aconteceu depois: Dom Fellay entrou, com o pé ainda sem ser tratado - que por fim revelou-se seriamente fraturado - andando de muletas e com um grande sorriso no rosto! (!)
Depois de ter primeiramente pedido desculpas pela "inconveniência"  que seu acidente havia causado, Dom Fellay, de repente, disse, com um sorriso ainda maior: 
_ "Este é um sinal muito bom! É um sinal muito bom, porque mostra que o demônio está muito furioso com o fato destas crianças receberem o Sacramento da Confirmação."

Os fiéis presentes ficaram admirados. Como era possível que este santo homem conseguia sorrir com a dor de um pé quebrado e ainda se alegrar pelos obstáculos colocados em seu caminho? (Uma senhora presente, disse mais tarde que ela tinha tido um pé quebrado e confessou que ela não era capaz de dormir durante toda a noite devido à forte dor.) E como era possível que ele ignorasse seu sofrimento e não permitisse que tais obstáculos o impedissem de realizar o que poderia, de outra forma, ser visto apenas como uma pequena cerimônia para três crianças?

Polônia reconhece Jesus Cristo como “Rei” do país

MADRI, 23 Nov. 16 / 03:30 pm (ACI/Actuall).- Os Bispos da Polônia declararam Jesus Cristo como Rei do país, um título retumbante que não é outra coisa a não ser o reconhecimento honorífico do seu reinado em todo o mundo, embora na documentação eclesiástica se descreve a cerimônia como “um ato de aceitação nacional do reino de Cristo e de submissão ao seu poder divino”.


Para isso, foi celebrada uma missa de entronização no santuário de Lagiewniki, próximo a Cracóvia, na qual estiveram presentes 6.000 fiéis para ser testemunhas de Jesus Cristo no trono sete meses depois que a hierarquia católica aprovou a entronização.

sexta-feira, 25 de novembro de 2016

A maldade conjunta de Malthus e Darwin

Resultado de imagem para darwin
Charles Darwin
Resultado de imagem para malthus fotos
Thomas Malthus




Malthus forneceu a ideologia econômica a Darwin; Darwin inventou a “ciência” para justificá-la e, eventualmente, foi posta em prática, isto é, aplicou o darwinismo, que significa eugenia aplicada e genocídio de “inferiores” que são referidos como “comedores inúteis”. 

Ao contrário das noções convencionais, o darwinismo social - a ciência secularizada da evolução  - é uma ideologia econômica mascarada como uma ciência natural.

Grande parte do pensamento de Darwin foi derivado das teorias econômicas do britânico Thomas Malthus & seu Ensaio sobre a População, isto é, que a população tende a ultrapassar a subsistência.
É claro que esta é uma visão reducionista do Velho Mundo amplamente baseada em noções feudais propagadas pelo “Senhor” ou classe privilegiada da Terra. A teoria malthusiana de uma população crescente justaposta à escassez de recursos, serve de pretexto para o controle, a ganância e o genocídio - que se trata da sobrevivência do “mais apto” e da privação de direitos e do abate de pessoas menos “aptas” e “menos merecedor”.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Absolvição do aborto, eis porque muda.

Papa Francesco

Claudio Crescimanno - Tradução: Gercione Lima


Entre as disposições contidas na Carta Apostólica Misericordia et Misera, publicada no dia 21 de novembro, a que terá efeito mais ressonante é, certamente, a extensão de uma forma estável a todos os confessores da habilidade de absolver o pecado de aborto provocado, e ao mesmo tempo suprimir a excomunhão latae sententiae ligada a tal delito.


A medida, na verdade, já havia sido tomada no início do Jubileu extraordinário há um ano atrás, como medida igualmente extraordinária, para favorecer o acesso mais amplo possível de todos os fiéis ao sacramento da confissão, aumentando assim a purificação geral dos pecados do povo cristão, que é o sentido último de cada ano santo. Agora, esta concessão foi estendida a todo sacerdote que confessa. A mudança é muito importante. Portanto, vamos tentar compreender melhor a dimensão dessa mudança com a ajuda de algumas perguntas e respostas, que esperamos que possam esclarecer melhor.

1) Até há um ano atrás, o pecado do aborto não era absolvido?

Obviamente sim, era absolvido, é lógico. Não há culpa por mais grave que seja, que não possa ser perdoada quando aquele que a confessa é genuinamente arrependido, pronto para se corrigir e disposto a fazer uma penitência proporcional.

Todavia, comportava restrições. Para simplificar, vamos citar o exemplo do homem ou da mulher que (até um ano atrás) se apresentavam no confessionário e se reconheciam culpados de terem feito um aborto. Notem bem que o pecado envolve tanto a mulher que o fez, como a família que a incitou, o pessoal médico que colaborou diretamente na sua realização e os políticos que o promovem.

Neste ponto, o confessor não podia deixar de lembrar a essa pessoa da gravidade do pecado cometido (ou favorecido) e suas consequências, inclusive o fato de ter incorrido em uma excomunhão lateae sentenciae.  Deveria também explicar-lhe - este é o ponto – que para ser absolvido desse pecado, e ao mesmo tempo ter anulada a excomunhão anexa, deveria se dirigir a alguns padres autorizados, o bispo diocesano, seu vigário geral, o cônego penitenciário da catedral, ou outros delegados para essa função. O recurso a um desses padres autorizados poderia ser feito de duas maneiras: ou o penitente se dirigia pessoalmente a um desses padres e repetia a confissão; ou o confessor deixava em suspenso a confissão em curso, e recorria ele mesmo a uma das figuras listadas acima (naturalmente, sem prejuízo da confidencialidade da identidade do penitente em questão), e, depois de ter recebido a autorização, convidava o penitente a voltar e aí dava-lhe a absolvição com a relativa remissão da excomunhão.

É evidente que este processo tornava mais trabalhoso receber a absolvição por este pecado. Mas isso não significa de forma alguma que o objetivo era colocar obstáculos ao perdão: muitos anos antes que houvesse um jubileu intitulado “A misericórdia de Deus”, o Catecismo da Igreja Católica já assegurava que, ao estabelecer as regras para a absolvição desta ofensa, " a Igreja não tem a intenção de restringir o campo da misericórdia. (Mas, ao invés) realça bem a gravidade do crime cometido "(n. 2272)

Misericordia et Misera: nova Carta Apostólica de Francisco.

Íntegra no site do Vaticano da Carta Apostólica para o encerramento do Ano da Misericórdia.
Sobre a FSSPX, dispõe o Papa Francisco:
No Ano do Jubileu, aos fiéis que por variados motivos frequentam as igrejas oficiadas pelos sacerdotes da Fraternidade de São Pio X, tinha-lhes concedido receber válida e licitamente a absolvição sacramental dos seus pecados.[16] Para o bem pastoral destes fiéis e confiando na boa vontade dos seus sacerdotes para que se possa recuperar, com a ajuda de Deus, a plena comunhão na Igreja Católica, estabeleço por minha própria decisão de estender esta faculdade para além do período jubilar, até novas disposições sobre o assunto, a fim de que a ninguém falte jamais o sinal sacramental da reconciliação através do perdão da Igreja.

sábado, 19 de novembro de 2016

Entrevista exclusiva: Cardeal Burke pede claridade ao Papa

CBurke.png




Em 14/11/2016

O Presidente da Catholic Action (Ação Católica), Thomas McKenna, obteve a seguinte entrevista com o cardeal Raymond Burke para explicar as intenções dos quatro cardeais e os documentos publicados titulados “A Busca da claridade: uma súplica para desatar os nós em Amoris Laetitia”.


Catholic Action: Sua Eminência, obrigado por ceder seu tempo com esta entrevista. A substância dos documentos que o senhor e os outros cardeais chama publicamente de “Dubia”. Pode me explicar o que significa dúbia e o que ela implica essa apresentação  “Dubia”?

Cardeal Burke: É um prazer falar com vocês sobre estes assuntos importantes. O título do documento é: "A busca da claridade: uma súplica para desatar os nós em Amoris Laetitia". Tem como co-autores a quatro cardenales: cardenal Walter Brandmüller, cardenal Carlo Caffarra, cardenal Joachim Meisner e eu. Os companheiros cardeais e eu estamos dando a conhecer uma súplica que foi feita para o Santo Padre, o papa Francisco, em relação com a sua recente Exortação Apostólica, Amoris Laetitia. Parte do documento contém ambigüidades e declarações que são como nós que não podem ser facilmente desatados e estão causando grande confusão. Compartilhando a devoção do Papa a Nossa Senhora, Desatadora de Nós, estamos pedindo que esclareça estas declarações ambíguas e, com a ajuda de Deus, desatar algumas das declarações embaraçosas do documento para o bem das almas.

Dúbia é a forma plural da palavra latina, dubium, que significa uma pergunta ou uma dúvida. Quando na Igreja surge  uma questão ou dúvida importante sobre a fé ou sua prática, é costume que os bispos, sacerdotes ou os fiéis, expressem formalmente a pergunta ou a dúvida e a apresente ao Romano Pontífice e ao órgão que tem a competência de tratar dela. A formulação de uma pergunta ou dúvida individual se chama simplesmente dubium. Se se articuula mais de uma pergunta ou dúvida, se chama dubia. A exortação apostólica pós-sinodal Amoris Laetitia vem causando uma série de perguntas e dúvidas sobre na mente dos bispos, sacerdotes e fiéis, muitas das quais já foram apresentadas ao Santo Padre e discutidas publicamente. No presente caso, quatro cardeais apresentaram formalmente ao Santo Padre cinco perguntas fundamentais ou dúvidas sobre a fé e as bases morais na leitura de Amoris Laetitia.

20 de Novembro: Dia da consciência negra ou do escravocrata Zumbi ?




Desmascarando mais uma lenda inventada por marxistas e que, desgraçadamente se solidifica na cabeça da população. Como sempre conta com a difusão por ideólogos no ambiente universitário,nas escolas e pela grande mídia "idiotizante" das massas, corrompendo a compreensão da história e assim, promovendo o ressentimento e baixa auto-estima da parte da população, sentimentos explorados por partidos marxistas para fomentar políticas de desagregação social.






Zumbi, o maior herói negro do Brasil, o homem em cuja data de morte se comemora em muitas cidades do país o Dia da Consciência Negra, mandava capturar escravos de fazendas vizinhas para que eles trabalhassem forçados no Quilombo dos Palmares. Também sequestrava mulheres, rara nas primeiras décadas do Brasil, e executava aqueles que quisessem fugir do quilombo.

Essa informação parece ofender algumas pessoas nos dias de hoje, a ponto de preferirem omiti-las ou até censurá-la, mas na verdade trata-se do óbvio. É claro que Zumbi tinha escravos. Na sua época não havia nada de errado nisso. Sabe-se muito pouco sobre ele, mas é certo que viveu no século XVII. E quem viveu próximo do poder no século XVII tinha escravos, sobretudo quem liderava algum povo de influência africana.

Desde a Antiguidade, os humanos guerrearam, conquistaram escravos e muitas vezes venderam os que sobravam. Até o século XIX, em Angola e no Congo, donde veio a maior parte dos africanos que povoaram Palmares, os sobás se valiam de escravos na corte e invadiam povoados vizinhos para capturar gente.